sexta-feira, 28 de junho de 2013

AS SETE VOLTAS ENTORNO DO MURO DE JERICÓ

Moisés comandou a saída do povo de Israel da escravidão no Egito, conforme relatado no livro do Êxodo. Mas o plano de Deus não incluía apenas livrar o povo da escravidão. Era preciso também encontrar um novo lar para aquele povo.

Seguindo a promessa que Deus tinha feito para Abraão, esse lar deveria ser a Terra Prometida, também conhecida como Canãa -, hoje em dia, Palestina. E assim, cabia a Israel conquistar aquele território, sob a liderança de Josué.


É preciso entender que o povo de Israel tinha sido escravo durante mais de 400 anos e, mesmo depois de uma longa preparação no deserto (40 anos), não tinha ainda experiência de batalha e seu primeiro desafio seria grande. Conquistar a cidade de Jericó, a primeira cidade no caminho de Israel ao entrar em Canãa, que contava com altos e fortes muros.


O interessante é que Deus disse a Josué que não seria necessário muita coisa para alcançar esse objetivo, pois Ele mesmo, Deus, derrubaria os altos muros. Para tanto, bastaria que, durante seis dias, Israel circulasse em volta dos muros (o povo de Jericó estava todo dentro do recinto fortificado). E, no sétimo dia, circulasse os muros por mais sete vezes. E aí as trombetas deveriam tocar e o povo deveria gritar em alta voz. E assim foi feito e os muros caíram (Josué capítulo 6).


Mas qual foi a razão para toda essa preparação? Por que Deus não derrubou o muro no primeiro dia? 


E é interessante perceber que esses requisitos meio "absurdos" de Deus aparacem em vários casos na Bíblia. Por exemplo, Isaque orou por vinte anos para que sua mulher Rebeca engravidasse de Esaú e Jacó. Ora, já havia uma promessa dada ao pai de Isaque - Abraão - que sua família tornar-se-ia um grande povo, portanto sem dúvida Rebeca haveria de ter filhos. Por que então foi preciso que Isaque orasse por tanto tempo?


Continuando, por que foi preciso que José passasse por cerca de 20 anos de sofrimento para que viesse a ser o principal ministro do faraó e salvasse sua família (Jacó e seus filhos) da fome? 


Por que Paulo teve que passar por naufrágios, perseguições, fome, etc, para conseguir anunciar o Evangelho de Jesus Cristo?


Penso que tudo isso traz uma lição, dividida em duas partes. A primeira é a necessidade de confiar e obedecer a Deus, não importa o que Ele venha a pedir. É preciso sempre ter em mente que Ele deve ter razões que são desconhecidas para os seres humanos e que justificam o que está sendo pedido. 


Depois, o processo pelo qual Deus faz a pessoa passar, visando atender aquilo que Ele pede, é sempre um período de grande aprendizagem e depuração do caráter dessa mesma pessoa. Foi isso que aconteceu com José, que amadureceu muito durante o período de adversidades, passando de uma rapaz mimado e sonhador a um estadista. 


Portanto, se o povo de Israel não tivesse circulado a cidade por sete vezes e não tivesse cumprido integralmente a orientação de Deus, o milagre não teria ocorrido. Não é que uma volta a menos faria diferença. Claro que não. Mas eventual desobediência traria resultados negativos, pois Deus teria recolhido sua mão.


Com carinho

2 comentários: