domingo, 30 de junho de 2013

SUCESSO NO TRABALHO. JÁ NA FAMÍLIA...

Há pessoas que apresentam uma história de vida com resultados mistos nas diferentes áreas. Por exemplo, é comum encontrar aqueles/as que alcançam sucesso na  profissão, enquanto fracassam nas relações pessoais (na criação dos filhos e/ou na relação conjugal). 

A história de Davi
E há um exemplo na Bíblia de uma pessoa exatamente assim: o rei Davi. Ele foi o maior rei da história de Israel, político habilidoso, general invencível e um líder carismático. Pegou o reino de Israel semi-destruído, depois do reinado desastroso do rei que o antecedeu (Saul) e deixou para seu filho uma nação rica e poderosa.

Além de tudo, Davi era um grande poeta e músico - escreveu a maior parte do livro de Salmos, onde existem textos marvilhosos que nos inspiram até hoje. Finalmente, a Bíblia nos conta que ele era um homem "segundo o coração de Deus" (Atos capítulo 13, versículo 22), ou seja tinha sintonia total com o nosso Criador. 

Em resumo, foi um grande sucesso em todos esses campos e por isso é reverenciado até hoje. Já na vida familiar, foi um pai desastroso. Teve várias mulheres (como era normal naquela época) e vários filhos, mas nunca soube administrar sua "cozinha interna". E alguns exemplos servem para demonstrar isso. 

O primeiro grande problema aconteceu quando Davi cometeu adultério com a esposa (Bate-Seba) de um dos seus generais (Urias). Como a mulher engravidou, Davi forçou a morte de Urias em batalha, para esconder o mal feito e depois tomou Bate-Seba como esposa. Naturalmente tudo isso gerou um grande escândalo. E nunca mais houve paz no seio da sua família. 

Um dos filhos de Davi, Amnon, estuprou uma das sua meio-irmãs, Tamar. E Davi nada fez para punir esse ato terrível que destruiu a vida da moça. Como Amnon ficou impune, Absalão, outro irmão da moça, fez justiça com as próprias mãos e matou o ofensor (2 Samuel capítulo 13). 

Mais adiante, Absalão, o filho preferido de Davi e seu herdeiro, revoltou-se contra o próprio pai e tentou tomar-lhe o trono. Acabou morto por um dos generais de Davi.

A partir daí multiplicaram-se as intrigas palacianas, para ver quem iria herdar o trono de Davi - o filho de Bate-Seba, Salomão, acabou sendo o herdeiro. E Salomão ainda precisou matar alguns dos seus meio-irmãos para poder pacificar as coisas. Em resumo, um desastre total.

A necessidade de alcançar o equilíbrio 
Sucesso absoluto numa área, fracasso completo na outra. O que pensar de Davi? E essa mesma pergunta se aplicaria há muitos artistas, empresários, políticos, etc. 

Penso que há duas possíveis explicações para esse tipo de situação. A primeira delas é a má distribuição do tempo - as pessoas tendem a amar aquilo que fazem bem e acabam por dedicar a esse campo da sua vida uma parte desproporcional do seu tempo. Afinal, é ali que se sentem vitoriosos.

E ao dedicarem mais tempo e esforço ao que fazem bem, tendem a fazer aquilo cada vez melhor. Em contra partida, tendo cada vez menos tempo para as outras áreas da sua vida, haverá uma chance cada vez maior de se sairem mal nelas. 

Conheci um grande pastor que simplesmente não tinha tempo para sua família. Vivia meio "flutuando", somente pensando nas coisas de Deus e deixou para sua mulher toda a pesada tarefa de educar os seis filhos. Somando a essa situação as dificuldades financeiras naturais na vida de um pastor realmente comprometido com o Reino de Deus, a vida da esposa tornou-se muito difícil e sacrificada. O resultado é que, no final da sua vida, essa mulher ficou muito amarga e tornou-se uma pessoa difícil de se lidar, o que é perfeitamente compreensível.

Penso que esse foi o caso de Davi - simplesmente não investiu tempo na sua família e deixava as coisas ali correrem ao sabor do acaso. E deu no que deu.

A outra razão para as pessoas terem grande sucesso numa área da vida e simplesmente fracassarem na outra é que erradamente acabam pesando que as técnicas de resolução de problemas que funcionam muito bem numa área também devem funcionar bem nas outras. Por exemplo, esse é o caso do pastor muito bem sucedido que tenta pastorear seus filhos, quando deveria ser apenas pai deles. Ele vai acabar por não ser nem pai nem pastor dos seus filhos.

Lembro-me do filme "A noviça rebelde", um belíssimo musical que encantou a minha infância, no qual havia uma família liderada por um viúvo, militar aposentado. E ele tentava liderar sua família como tinha liderado seus soldados no quartel, usando o mesmo tipo de disciplina, e o resultado era desastroso. 

O pior é que as pessoa que agem assim normalmente têm dificuldade de aceitar que estão errando, por orgulho, ignorância e/ou teimosia. E insistem nesse caminho, achando que vaõ obter resultados, se fizerem um esfoçor maior, o que não é verdade.

Uma vida cristã plena pressupõe equilíbrio em todos os campos: trabalho, família, lazer, vida espiritual, etc. Desequilíbrios são sempre ruins, mesmo quando o privilegiado for o campo espiritual. Afinal, Deus nos fez um conjunto de coisas e é preciso levar em consideração todas elas.

Em consequencia, é preciso investir na correção dos eventuais desequilíbrios. Isso passa, em primeiro lugar, pela percepção que esse tipo de problema existe - coisa, por exemplo, que Davi nunca teve. 

Depois, é preciso equilibrar bem o tempo entre todas as áreas, levando em conta as necessidades específicas de cada uma - por exemplo, filhos pequenos tomam muito tempo. 

Finalmente, é preciso ajustar os métodos de atuação em cada área, não confundindo as necessidades de cada uma delas. Por exemplo, estudar a Bíblia vai me fazer aumentar a fé, mas não é isso que vai dar solução ao problema técnico com o qual estou lidando no meu trabalho. 

Cada área - trabalho, relacionamentos, vida espiritual, etc - tem suas necessidades específicas e, consequentemente, seus métodos de atuação. É preciso, portanto, ter ferramentas necessárias para cada uma delas, o que pode ser conseguido com esforço próprio (por exemplo, estudo), ou via ajuda de terceiros (por exemplo, terapia).

Com carinho 

Nenhum comentário:

Postar um comentário