quarta-feira, 27 de novembro de 2013

JESUS TEVE IRMÃOS E IRMÃS?

"Falava ainda Jesus ao povo, e eis que sua mãe e seus irmãos estavam do lado de fora, procurando falar-lhe." Mateus capítulo 12, versículo 46
A controvérsia sobre a existência de irmãos/irmãs de Jesus tem dividido os cristãos há séculos: de um lado, a Igreja Católica e alguns outros poucos grupos afirmam que Jesus não teve irmãos/irmãs de sangue, por parte de Maria; enquanto, de outro, praticamente todos os grupos evangélicos afirmam que Jesus, sim, teve esse tipo de parentes. 

Essa questão é mais do que uma simples curiosidade histórica, pois está no centro da discussão sobre o papel que Maria deve ter no cristianismo. Para o primeiro grupo, essencialmente os católicos, Maria tem um papel muito fundamental, pois, assim como Jesus, não teria pecado, foi transladada para os céus e também atua como mediadora entre Deus e os homens (o que está presente na oração da "Ave Maria", na parte em que é dito "... rogai por nós pecadores...". E a virgindade perpétua de Maria é parte importante da doutrina relacionada com ela. 

Já para os evangélicos, Maria foi uma pessoa muito especial - a Bíblia a chama de "abençoada entre as mulheres" - e, não por acaso, foi escolhida para ser mãe de Jesus. Portanto, ela é digna de toda consideração. Mas, seu papel não vai além disso. E, sendo assim, ela teve uma vida normal com José, tendo tido inclusive vários filhos com ele.

Análise da questão
Aqueles que afirmam que Maria não teve mais filhos/filhas precisam explicar as inúmeras referencias aos irmãos e irmãs de Jesus existentes na Bíblia, como exemplificado no início deste post. E há duas explicações que procuram enfrentar esse desafio. 

Uma delas praticamente já caiu em desuso, pois tem pouca base. Trata-se daquela que explica as referencias bíblicas como tendo sido feitas a primos/primas e não irmãos/irmãs. Digo que há pouca base porque a palavra usada na Bíblia nessas referencias significa sem qualquer dúvida irmãos/irmãs e tentar fazê-la significar primos/primas é "forçar a barra".

A outra possível explicação é bem mais plausível: José já tinha filhos/filhas de um casamento anterior, não registrados na Bíblia. E esses filhos/filhas seriam considerados pelos contemporâneos de Jesus como seus irmãos/irmãs, mesmo não tendo sido gerados por Maria.  

Há um argumento forte para essa interpretação que pode ser encontrado na passagem onde Jesus entregou sua mãe aos cuidados do apóstolo João, pouco antes de morrer (João capítulo 19, versículos 26 e 27). Caso Maria tivesse outros filhos de sangue, para cuidar dela, não haveria necessidade de Jesus ter feito isso. 

Mas também há argumentos fortes contra essa tese. Por exemplo, na descrição feita na Bíblia sobre a família de Jesus, antes do seu nascimento, somente são citados José e Maria, não havendo qualquer referencia a outros filhos/filhas de José, que certamente ainda haveriam de estar sob sua responsabilidade naquela fase da sua vida. Além disso, quando os pais de Jesus fugiram para o Egito e lá ficaram exilados por pelo menos dois anos, esses filhos/filhas de José teriam sido deixados à própria sorte, em Nazaré, cidade de origem de José. Isso tudo parece bem improvável, considerando o tom dos relatos bíblicos. 

E o fato de Jesus ter entregue Maria para João tomar conta, mesmo tendo ela outros filhos de sangue, pode ser explicado pelo fato de que eles não aceitavam Jesus como Messias, situação da qual a Bíblia dá testemunho - esses homens vieram a se converter bem mais tarde. Assim, Jesus teria entregue sua mãe para João cuidar porque ela queria ficar no meio de cristãos, que reverenciavam a memória do seu filho, o que não teria acontecido se ela viesse a viver com um dos seus demais filhos de sangue.  

Conclusão 
Esse é apenas um resumo dos argumentos pró e contra relacionados com essa controvérsia e servem para dar uma ideia sobre o alcance dessa polêmica. Minha avaliação pessoal, levando em conta todos os argumentos, é que há mais suporte bíblico para a tese que atribui outros filhos/filhas a Maria. Agora, penso também que se os irmãos/irmãs de Jesus foram filhos de outro casamento de José, nem assim há qualquer suporte bíblico para a tese de que Maria permaneceu virgem e não teve uma vida de casada normal com José, conforme defendem os católicos. 

Ainda mais, a Bíblia é muito clara que apenas Jesus é o intermediário entre Deus e os seres humanos, portanto falta base à doutrina que atribue a Maria um papel como mediadora entre Deus e os seres humanos. 

Com carinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário