quarta-feira, 27 de agosto de 2014

DEUS SÓ AJUDA A QUEM SE AJUDA?

Pensar que Deus somente ajuda a quem se ajuda faz todo o sentido. Portanto, a resposta para a pergunta que dá título a este post parece ser SIM. E acredito que muitos cristãos(ãs) concordam com essa declaração - afinal, esse tipo de pensamento está muito presente nas igrejas evangélicas. 

O interessante é que a frase "Deus ajuda a quem se ajuda" foi criada por um pagão, o escritor grego Esopo. Na origem, ele se referiu a "deuses", no plural, pois os gregos acreditavam em várias divindades (eram politeístas). Ela foi popularizada na cultura ocidental, quando o plural foi trocado pelo singular, por Benjamim Franklin, grande cientista (inventou o para-raios) e importante político norte americano, que nem cristão era de fato. 

Portanto, essa ideia não nasceu na Bíblia. Mas será que ela encontra suporte ali? Para responder, vou usar como ponto de partida uma parábola que Jesus contou (Lucas capítulo 15, versículos 3 a 7):
"...Se você tivesse 100 ovelhas e uma delas se perdesse, não deixaria as outras 99, para ir à procura da perdida até conseguir encontrá-la? E quando a encontrasse você a carregaria nos ombros, todo alegre e viria para casa... Ora, da mesma forma há muito mais alegria no céu por causa de um pecador que volta para Deus..."  
Essa parábola se refere a nós e mostra como o Espírito Santo vai atrás de cada pessoa com o objetivo de salvá-la. Deus ama a cada um de nós e quer que venhamos a estar com Ele - essa é a base para a salvação humana. 

Mas repare que a "ovelha perdida" nada fez (e nem poderia fazer) para se ajudar. A ovelha é um animal frágil e morre se deixada por pouco tempo sem os cuidados necessários. Ela foi simplesmente achada e trazida para casa.  

É claro que Deus espera que façamos aquilo que está a nosso alcance em cada situação que enfrentamos - afinal, Ele não aprecia pessoas preguiçosas e/ou acomodadas. 

Agora, fazermos o que está a nosso alcance em determinada situação não significa que influenciamos de fato o resultado final. Na verdade, em muitas situações, pouco podemos fazer face às nossas limitações. 

E o melhor exemplo é a salvação. Simplesmente não podemos salvar a nós mesmos - esse seria o caso se pudéssemos realizar boas obras em quantidade suficiente para nos dar merecimento para estarmos junto a Deus. Mas não podemos e por causa disso dependemos da Graça de Deus, caracterizada pelo sacrifício de Jesus Cristo por nós na cruz.

Em outras palavras, somos mesmos "ovelhas perdidas" que precisam ser encontradas e trazidas para casa, caso contrário morreremos. E todo trabalho de salvamento cabe ao pastor (Deus).

Portanto, no que tange à coisa mais importante das nossas vidas (a salvação), nossa dependência de Deus é total. E o mesmo pode ser dito em relação a várias outras coisas fundamentais. Por exemplo, o universo foi criado por  Deus e é Ele que sustenta tudo que existe. Sem Deus, nada existiria, e a humanidade nada poderia fazer a respeito.

É claro que há diversas áreas das nossas existências onde nossa ação pode fazer diferença - por exemplo, se você trabalhar de forma séria e dedicada terá maiores chances de ter sucesso profissional. Mas isso não pode ser generalizado, pois em coisas fundamentais dependemos única e exclusivamente de Deus. 

A frase original, na verdade, se apoia na percepção de que o ser humano pode juntar mérito suficiente para justificar tudo aquilo de bom que venha acontecer com ele(a). Mas isso simplesmente não é verdade. Dependemos da Graça de Deus muito mais do que percebemos à primeira vista. Simples assim.

Com carinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário