sábado, 8 de agosto de 2015

O NOME DE DEUS

Quando Moisés foi chamado por Deus para liderar a libertação do povo de Israel, então escravizado no Egito, ele relutou em aceitar o chamado por se julgar sem condições para esse encargo. Houve um diálogo com Deus, onde Moisés acabou convencido a dar esse passo (Êxodo capítulo 3). 

Depois de aceitar, Moisés apresentou uma condição para ir em frente: conhecer o nome de Deus. E a razão para essa condição é muito simples: naquela época, o nome caracterizava a personalidade da pessoa - por exemplo, Jacó mudou de nome para Israel (“aquele que luta com Deus”) depois do episódio com o anjo (Gênesis capítulo 32, versículos 22 a 30). Assim, ao conhecer o nome de Deus, que ninguém sabia até então, Moisés daria uma prova para o povo israelita da sua intimidade. Sabendo o nome, Moisés demonstraria saber também como de fato Deus é.

E o Senhor respondeu: “Eu sou o que sou”, ou segundo outras traduções, “Eu serei o que sempre tenho sido” (Êxodo capítulo 3, versículos 13 a 15). 

Uma resposta surpreendente. Essa resposta revela que não é possível definir Deus, exceto que Ele é eterno e não muda. Por isso Ele continuará a ser quem tem sido até hoje - o que deve nos transmitir segurança.

Agora, o nome de Deus em hebraico - a frase "Eu sou o que sou" - era escrito com 4 consoantes pois esse idioma não tinha vogais. As letras eram "YHVH", que passou a ser conhecido como o "Tetragrama" sagrado. 

Para não descumprir o terceiro mandamento - "não tomarás o nome de Deus em vão" (veja mais) - os judeus escreviam o Tetragrama mas nunca o pronunciavam. Quando precisavam falar o nome de Deus, pronunciavam "Adonai"(Senhor). Assim, com o tempo, perdeu-se a pronuncia correta do nome de Deus. 

Os cristãos, que não tinham a mesma preocupação em pronunciar o Tetragrama, passaram a acrescentar às quatro consoantes as vogais da palavra Adonai e daí, por transliteração (troca de letras), obteve-se a palavra JAVEH, que é como a maioria dos estudiosos conhece o nome de Deus hoje (alguns erradamente usam Jeovah, nome também bem conhecido). 

Agora, nas traduções da Bíblia muitos tradutores seguem uma tradição: quando o texto em hebraico contem o Tetragrama, essa palavra é traduzida como "SENHOR" (todas as letras em maiúsculas). Já a palavra Adonai, em seu significado normal, é traduzida como "Senhor", onde somente a primeira letra é maiúscula. Vamos ver exemplos disso:
E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do SENHOR será salvo.                                             Joel capítulo 2, versículo 32 
Se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.   Romanos capítulo 9, versículo 9
Ao seguir essa tradição, as traduções às vezes perdem parte do significado. Voltando ao versículo em Joel, o texto diz que todo aquele que invocar o nome de Deus (YHVH), será salvo. É importante entender que esse "invocar" não é simplesmente pronunciar o nome e sim ter fé n´Ele e tê-lo presente na vida. 

Já no versículo em Romanos, Paulo diz que todo aquele que confessar (invocar) Jesus como Senhor da sua vida e crer que Ele foi ressuscitado por Deus - o que equivale a crer que Ele é o Salvador -, será salvo. E é importante perceber que, em Romanos, Paulo citou o versículo de Joel, pois construiu seu texto de forma similar ao outro. 

Como a Bíblia não tem contradições, é claro que esses dois versículos falam a mesma verdade, mas de formas diferentes. E o que Paulo fez foi declarar que Jesus é Deus, pois chamá-lo de Senhor passou a ter o mesmo significado que invocar o nome de Deus. Ou seja, Jesus e YHVH têm a mesma natureza e estão unidos, ou seja está aí o embrião da doutrina da Trindade. 

Com carinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário