segunda-feira, 21 de setembro de 2015

PEDRO, UM EXEMPLO PARA NÓS

Mateus capítulo 16, versículos 13 a 22 e capítulo 26, versículos 31 a 35 e 69 a 75. Lucas capítulo 6, versículos 13 e 14. João capítulo 1 versículos 35 a 44 e capítulo 21, versículos 15 a 18

Gosto muito da figura do apóstolo Pedro. O que agrada nele é sua humanidade o que o torna muito parecido comigo ou com você. Suas qualidades e defeitos são bem aparentes no relato bíblico e não há qualquer intenção ali de “dourar a pílula”.

Pedro “pisou na bola” muitas vezes - a falha mais conhecida foi ter negado Jesus por três vezes. Mas não ficou só nisso: ele criou caso com Paulo (conforme o relato da carta aos Gálatas, capítulo 2, versículos 11 a 16), arrumou confusão com outros discípulos, queria brigar com os servos do sumo-sacerdote e assim por diante - um rosário de erros.

Era impetuoso, vigoroso, emotivo, presunçoso, sem discernimento e medroso. E dava importância demasiada à opinião das outras pessoas. Mas suas qualidades também eram enormes: generoso, comprometido e amoroso. E alguns fatos marcantes da sua vida comprovam isso:
  • Foi o primeiro apóstolo a confessar Jesus como o Salvador. 
  • Explicou ao povo em Jerusalém o que tinha acontecido no evento do Pentecostes, quando o Espírito Santo chegou, dando início à vida da igreja (Atos capítulo 2, versículos 14 a 36).
  • Abriu as portas da igreja para os gentios (não judeus), conforme relato de Atos capítulo 10, versículo 44 a capítulo 11, versículo 18.

E foi recompensado por suas qualidades:
  • Jesus apareceu somente para ele, após sua ressurreição (1 Coríntios capítulo 15, versículo 5).
  • Tornou-se um dos mais importantes líderes da igreja cristã, com uma contribuição só comparável à de Paulo.

Conhecemos muitos detalhes sobre a vida de Pedro. O apóstolo nasceu em Betsaida e se chamava Simão (Simeão). Foi apelidado por Jesus de Pedro (ou Cefas, em aramaico). Era casado (Lucas capítulo 4, versículo 38) e seu pai se chamava Jonas (João), tanto assim que Jesus se referiu a ele como “Simão Barjonas” (a palavra “bar”, em hebraico, significa “filho”).

O apóstolo foi pescador no mar (lago) da Galileia, juntamente com o pai e o irmão André. Sua família trabalhava em sociedade com Zebedeu e seus filhos Tiago e João (Lucas capítulo 5, versículo 10) – é interessante perceber que todos eles, Pedro, André, Tiago e João tornaram-se apóstolos. 

Pedro morava em Cafarnaum, à beira do lago da Galileia (Lucas capítulo 4, versículo 38), quando foi chamado por Jesus para segui-lo. E daí não mais se afastou do Mestre, até sua morte e ressurreição. Depois, seguiu em frente, já como um dos líderes da igreja cristã em Jerusalém. Mais tarde mudou-se para Roma, onde morreu, segundo a tradição, crucificado de cabeça para baixo, por volta de 67-68 da nossa era. Ele foi bispo da igreja em Roma por cerca de 25 anos.

A figura de Pedro é alvo de algumas controvérsias religiosas importantes, pois os Católicos Romanos vêm nele o chefe da igreja cristã. Essa controvérsia nasce na interpretação divergente da passagem de Mateus capítulo 16, versículos 15 a 19:
E Simão Pedro, respondendo [a Jesus], disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque foi carne e sangue que te revelaram isso, mas meu Pai, que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.

Os Católicos Romanos leem na frase que começa com “tu és Pedro” uma “nomeação” do apóstolo como chefe da Igreja cristã. Já a interpretação dos evangélicos, que eu sigo, entende ser a tal “pedra”, sobre a qual a Igreja foi edificada, a fé de Pedro, demonstrada nos versículos anteriores, onde foi o primeiro a reconhecer Jesus como o Messias.

Por conta da frase em que Jesus disse ter dado para ele as “chaves do reino dos céu”, os Católicos Romanos entendem que ele receberá cada um(a) de nós nas portas do Paraíso. Mas isso é um erro pois a referência de Jesus é claramente alegórica - afinal o céu não tem portas. Jesus se referiu ao fato que a ação apostólica de Pedro, levando as pessoas à conversão, seria a chave para a entrada delas no céu. Só isso.   

A transformação espiritual de Pedro
O que aconteceu com Pedro – passar de pessoa comum, cheia de fraquezas, a herói da fé -, acredito, dá esperanças para todos. Se ele conseguiu fazer essa transição, eu e você também podemos - essa transformação está ao alcance de todos(as). Simples assim.

Essa transformação está relatada na Bíblia em muitos detalhes e conseguimos perceber com clareza cinco fases diferentes. E há avanços e retrocessos, comprovando que o desenvolvimento espiritual das pessoas não é linear:
  1. Foi chamado para ser discípulo e apóstolo e aceitou com entusiasmo.
  2. Discipulado ao longo de três anos de convivência diária com Jesus.
  3. Caiu quando negou a Jesus, por ter tido medo (João capítulo 20, versículo 19). E quase se perdeu.
  4. Arrependeu-se e foi recuperado pelo próprio Jesus, já depois da sua ressurreição, no episódio em que se encontraram numa praia do mar da Galileia (João capítulo 21).
  5. Chegou à maturidade espiritual. Assumiu papel de liderança na Igreja, a partir do discurso do Pentecoste. São dessa fase as inúmeras curas (Atos capítulo 5, versículos 14 e 15) e a abertura da igreja cristã para os gentios, assim como a direção da igreja em Roma – é interessante que, a partir de Atos capítulo 15, Pedro praticamente desaparece do relato bíblico.

Com carinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário