sexta-feira, 9 de outubro de 2015

CONVERSANDO SOBRE DONS ESPIRITUAIS

Já comentei em diversos outros textos aqui no blog que existem muitos dons espirituais, cada um deles necessário para determinados tipos de tarefa (ministérios) que o cristão desempenha na obra de Deus. Em outras palavras, os dons espirituais destinam-se a revestir aquele(a) que trabalha na obra de Deus do poder necessário para realizar as atividades sob sua responsabilidade. 


Será que os dons permanecem presentes?
Agora, há uma dúvida que aparece com frequência quando se discute esse tema: será que os dons espirituais permanecem presentes hoje em dia, da mesma forma que nos tempos bíblicos? Em outras palavras, temos acesso hoje em dia ao mesmo tipo de poder que os primeiros(as) cristãos(ãs) tiveram? 

A resposta a essa dúvida me parece relativamente simples: enfrentamos hoje em dia desafios para realizar a obra semelhantes àqueles enfrentados pelos(as) cristãos(ãs) no passado. E a necessidade de contar com poder dado pelo Espírito Santo (dons espirituais) permanece a mesma. Assim, os dons espirituais continuam hoje como eram no passado.


Em João capítulo 14, versículo 12, Jesus disse que "...aquele que crê em mim, fará também as obras que eu faço, e outras maiores fará". Ele quis dizer que seus(uas) seguidores(as) teriam à disposição o mesmo poder por Ele usado (o Espírito Santo) para realizar sua missão aqui na terra. E repare que Jesus não estabeleceu por quanto tempo esse poder estaria disponível - isso ficou em aberto. Assim, é razoável supor que essa situação continue válida.

Explicando alguns dons 
Os dons são muitos porque as necessidades da obra de Deus são grandes. E não seria possível discuti-los todos aqui. Vou me concentrar nos seis dons mais "badalados", ou seja aqueles com os quais provavelmente você vai se deparar ao longo da sua vida:

Profecia: esse dom tem a ver com a capacidade de transmitir mensagens de Deus para as pessoas , com o objetivo de exortá-las, ensiná-las e/ou consolá-las. Por exemplo, quando o rei Davi adulterou com Bate-Seba, foi o profeta Natã que teve a tarefa de alertá-lo para o tamanho do pecado por ele cometido (2 Samuel capítulo 12). E é por ter que falar para as pessoas o que elas não desejam ouvir, que os(as) profetas(isas) costumam ter vida difícil. 

Agora, é claro que as mensagens de Deus podem incluir informações sobre o que vai ocorrer no futuro da vida das pessoas, mas essa não é a principal razão de ser de uma profecia. Mas conhecer seu futuro acaba sendo o principal motivo para as pessoas se interessarem pelas profecias e por isso esse dom acaba sendo muito valorizado nas igrejas.

E também acaba sendo muito abusado - eu mesmo já fui várias vezes abordado por pessoas que começavam o diálogo dizendo “o Senhor me faz saber isso ou aquilo a seu respeito", para depois me passar uma mensagem sem pé nem cabeça. 

Ensino 
Esse dom é importante para que as pessoas possam ser esclarecidas sobre a doutrina cristã e também sobre a forma de viver o cristianismo no dia-a-dia. O ministério correspondente é normalmente desenvolvido através das escolas bíblicas e dos grupos de discipulado. Mas também podem ser incluídas outras iniciativas, como, por exemplo, este blog.

Os(as) mestres(as) têm grande responsabilidade pois podem desencaminhar pessoas sinceramente interessadas em seguir Jesus Cristo, caso venham a passar ensinamentos errados (1 Timóteo capítulo 6, versículos 3 a 6).  

Línguas 
Há dois tipos de dons relacionados com línguas. E o primeiro deles se fez presente no evento do Pentecostes, em Jerusalém, quando Pedro fez uma pregação (provavelmente em aramaico) e pessoas de diferentes nacionalidades ouviram o discurso dele como se tivesse sido feito na língua materna de cada uma delas. 

Agora, quando as pessoas se referem ao "dom de línguas" normalmente estão falando de outro dom: a capacidade de falar a língua dos anjos - muitos teólogos acham que seja o hebraico antigo. O dom de línguas tem por objetivo estreitar o relacionamento da pessoa com Deus, ou seja, trata-se de um forma elevada de louvor e adoração. 

Infelizmente, como se trata de dom valorizado em muitas comunidades, há muita mistificação, sendo frequente as pessoas ficarem repetindo interminavelmente certas palavras que aprenderam aqui ou ali. 

Cura 
É um dos dons mais procurados porque traz grande visibilidade. Mas nunca devemos esquecer quando as curas aparecem nos relatos bíblicos, elas sempre tiveram um propósito claro: por exemplo, recompensar a fé extraordinária de uma pessoa ou dar credenciais espirituais para os apóstolos, provando que seu ministério vinha mesmo de Deus. 

Esse é um dom frequentemente abusado, pois já vi muita mistificação acontecer - pessoas se dizerem curadas quando não o foram de fato. Basta ver os programas diários de televisão de alguns pastores para perceber isso com clareza. 

Apostolado 
A palavra apóstolo quer dizer testemunha. Ou seja, a pessoa que tem esse dom torna-se testemunha do Evangelho de Cristo. E ela testemunha esse Evangelho não só com a sua pregação, mas também com a sua vida. 

Infelizmente, hoje em dia o título de apóstolo tornou-se corriqueiro e serve apenas para dar status e alimentar o ego inchado de alguns líderes religiosos. Uma pena. 

Pastoreio 
Trata-se do dom voltado para o cuidado com a vida espiritual das “ovelhas" (membros de uma comunidade cristã). Nada tem a ver com o título de pastor que as igrejas evangélicas dão aos seus sacerdotes. 

É claro que um sacerdote deve ter o dom de pastoreio para poder desempenhar bem sua função, mas há pessoas que tem esse dom e não são sacerdotes. por exemplo, Nelson Mandela pastoreou o povo da África do Sul e era um político.

O mau uso dos dons espirituais
Já falei acima sobre alguns abusos que esses dons sofrem, mas gostaria de aprofundar essa discussão falando de mais dois problemas frequentes. 

Um deles é o uso do dom espiritual para obter ganhos pessoais. Há uma passagem no Atos dos Apóstolos (capítulo 8, versículos 14 a 20) onde uma pessoa tenta comprar dons espirituais, chegando a oferecer dinheiro para o apóstolo Pedro, e ela acaba sendo amaldiçoada. A verdade é que os dons espirituais são dados de graça e de graça devem ser exercidos.

Outro prolema é a atribuição de status mais elevado dentro das comunidades cristãs àqueles(as) que demonstram possuir mais dons ou tenham dons considerados mais importantes (como profecia ou cura). Não podemos esquecer que a importância na obra de Deus, segundo Jesus ensinou, não vem da proeminência que a pessoa pode alcançar no meio cristão e sim da capacidade de servir. Em outras palavras, o maior é aquele que se faz menor, por servir mais às outras pessoas e fazer isso de forma mais humilde.

Com carinho

2 comentários:

  1. Ótimo texto. Sempre trazendo ensinamentos importantes. Que Deus te abençoe para que continue escrevendo, seus textos são sempre bem pensados e fáceis de entender. Abraço e bom final de semana.

    ResponderExcluir