domingo, 22 de novembro de 2015

POR QUE JESUS FOI BATIZADO PARA ARREPENDIMENTO?


Um dos fatos mais importantes da vida de Jesus foi o seu batismo logo no início do seu ministério. E o batismo a que Jesus se submeteu foi ministrado por João Batista e se tratava de um chamado ao arrependimento – o povo judeu devia abandonar seus maus caminhos e se arrepender dos pecados cometidos (Mateus capítulo 3, versículos 1 a 10).

Agora, por que Jesus se deixou batizar já que não tinha pecados, isto é não tinha do que se arrepender? Essa é uma pergunta muito coerente que merece atenção.


Como Deus lidou com o povo de Israel
Deus lidou com o povo de Israel, segundo o relato do Velho Testamento, de forma diferente do que Ele lida conosco hoje. Israel era o povo escolhido e estava debaixo da promessa dada a Abraão e depois reafirmada a Moisés, Davi, etc. Portanto, quem nascia dentro desse povo herdava automaticamente todas as promessas feitas por Deus, em especial passava a fazer parte da Aliança feita com Abraão. Mas como havia promessas coletivas para Israel, cuja posse podia ser reivindicada por qualquer pessoa que pertencesse a esse povo, também havia responsabilidades coletivas para as mesmas pessoas.

Assim, certos pecados cometidos por um único homem judeu podiam ter reflexo no povo como um todo. Um bom exemplo disso é o caso de Acã, que desobedeceu a Deus e causou a derrota de Israel na batalha pela cidade de Aí (Josué capítulo 7).

É claro que também existiam pecados - como o adultério ou o roubo - para os quais a responsabilização era individual, como aconteceu com o Rei Davi, no caso do adultério com Bate-Seba.

Os pecados que tinham impacto coletivo eram aqueles relacionados diretamente com a Aliança de Israel com Deus - adoração a outros deuses, desobediência a Deus, revolta contra os líderes indicados por Ele, etc.

Jesus e o pecado do povo de Israel
Jesus era judeu e vivia as práticas religiosas daquele povo – respeitava os feriados religiosos, foi circuncidado, não comia alimentos proibidos, etc. Pode parecer estranho afirmar isso, mas Jesus, como parte do povo escolhido, estava dentro da Aliança feita por Deus com Abraão. Assim, Ele também era coletivamente responsável pelos pecados cometidos por outros judeus contra a Aliança com Deus.

Em outras palavras, Jesus não pecou pessoalmente mas carregou sua parte da culpa coletiva de Israel. E a Bíblia explica isso com clareza: quando Jesus se aproximou para ser batizado, João Batista lhe disse que não podia praticar tal ato, pois não era digno de fazer isso. E Jesus respondeu: "...Deixa, por enquanto, para que se cumpra toda a justiça..." (Mateus capítulo 3, versículos 13 a 15).

"Justiça" na frase acima tem o significado de cumprimento da Lei dada por Deus a Moisés. Ou seja, como judeu, Jesus tinha sobre Ele os pecados coletivos de Israel, embora não fosse diretamente responsável por nenhum deles. Daí ser apropriado que Jesus se batizasse pelo arrependimento coletivo do povo, cumprindo a Lei dada por Deus a Moisés.

Comentários finais
Vivemos hoje dentro da chamada Nova Aliança, caraterizada pela morte de Jesus na cruz para remissão dos nossos pecados (Mateus capítulo 26, versículos 26 a 28). A Nova Aliança não é coletiva, como a Aliança feita por Deus com o povo de Israel. Ela é individual.
Cada pessoa entra na Nova Aliança quando aceita Jesus como seu Salvador. Ninguém pode transferir sua salvação para um(a) descendente - cada pessoa terá que tomar esse passo por si mesma. 
Por outro lado, na Nova Aliança ninguém tem que carregar pecados coletivos. Cada pessoa é responsável apenas pelo que faz individualmente e só precisa se arrepender disso. 

Assim, na Nova Aliança o gesto de Jesus, de se deixar batizar por João Batista, não faz sentido, pois Ele não tinha pecados pessoais. Mas o mesmo ato, quando olhado sob o ponto de vista da Aliança de Deus com Israel, à qual Jesus também pertencia, como judeu, passa a fazer todo sentido.
Com carinho 

Nenhum comentário:

Postar um comentário