terça-feira, 24 de novembro de 2015

POR QUE JESUS NOS PEDIU PARA DAR A OUTRA FACE?

... mas a qualquer que te ferir na face direita, volta-lhe também a outra e ao que demandar contigo e tirar-te a túnica, deixa-lhe também a capa. Se alguém te obrigar a andar uma milha, vai com ele duas." Mateus capítulo 5, versículos 39 a 41
Há diversos ensinamentos de Jesus difíceis de aceitar. Mas ainda assim precisamos obedecê-los se quisermos ser cristãos verdadeiros. E a melhor forma de fazer isso não é tentar obedecer cegamente porque isso foge à natureza humana. É preciso entender as razões de Jesus para pedir essas coisas e ser convencido por esse entendimento. Aí fica mais fácil de obedecer.

Um excelente exemplo desse tipo de situação é o pedido de Jesus para que o(a) cristão(ã) ofereça o outro lado quando for ferido(a) na face, conforme o texto acima. Jesus estava ensinando aqui que a pessoa não deve retribuir o mal (físico, moral e/ou espiritual) recebido e, ainda mais desafiador, deve fazer algo positivo por quem lhe tiver feito mal, caso isso for possível.

Esse ensinamento é muito mais exigente e desafiador do que a Lei dada no Velho Testamento - ali foi ensinado retribuir "olho por olho e dente por dente", ou seja o mal deveria ser retribuído de forma proporcional ao prejuízo sofrido (Êxodo capítulo 21, versículo 24). Mas, para Jesus, a orientação é retribuir o mal até com o bem. Isso envolve duas coisas: abandonar qualquer vontade de retribuição do mal recebido e, se possível, ainda fazer o bem, caso possível.

A pergunta que fica aqui é: por que Jesus pediu isso? Afinal, a lei do Velho Testamento parece justa e razoável. Acredito que há três razões para isso. 

A primeira é que a tal "retribuição justa" não é possível de aplicar na prática. Eu me explico. Digamos que eu mate o filho de alguém e essa pessoa mate meu filho, em retribuição. Pela matemática, parece ter ficado tudo certo. Mas, se eu tiver apenas um filho e a outra pessoa três, eu teria perdido tudo e o outro apenas um terço da sua prole. 

Na prática, é praticamente impossível estabelecer uma retribuição justa ao mal recebido pois são muitas as variáveis a considerar. E, por conta disso, a regra do "olho por olho" tende a perpetuar os conflitos - um dos lados sempre vai achar que sofreu mais e vai querer descontar a diferença.

Voltando ao exemplo anterior, digamos que eu ache que matar meu único filho foi injusto. Vou lá e, para equilibrar as coisas, no meu ponto de vista, mato os outros dois rapazes do meu inimigo. Aí o pai dos rapazes mortos vai achar que a conta ficou desequilibrada e irá retaliar. E assim acabará sendo gerado um ciclo de vinganças e retaliações.

É por isso que o ditado "quando se usa a regra do olho por olho, a longo prazo todos acabam cegos" é tão sábio. Retrata com clareza a circunstância de que não é possível encontrar a retribuição justa ao mal recebido e inicia-se um ciclo de retaliações.

A segunda razão pela qual Jesus nos pediu para não retaliar é que a lógica do Reino de Deus é baseada na Graça e não na "causa e efeito". Graça significa que Deus deixa de punir a pessoa de acordo com seus malfeitos, através do sacrifício de Jesus. Isso significa que se a pessoa aceitar Cristo como seu Salvador, ela não será cobrada pelos seus erros. E isso vale para todos(as).

E a Graça está disponível para todos - basta aceitá-la. Por isso não há justiça maior. Mas se alguém entra no campo de Graça, é exigido dessa pessoa que aja de forma semelhante - aprenda a perdoar e não retaliar. E dessa percepção também decorre o mandamento de Jesus.

A terceira razão tem a ver com a exigência de fazer o bem a quem fez mal, caso seja possível. Isso porque uma ação positiva, que traga bem para quem fez o mal, pode iniciar um processo de restauração da relação quebrada. E isso é ainda melhor do que apenas acabar com o ciclo de retaliação. Os resultados são muito mais significativos.

É por isso que precisamos orar por aqueles(as) que nos ofendem. Ajudá-los(as) nas suas necessidades. E assim por diante. É de ações como essa que gera um ciclo positivo, onde o bem gera mais bem.

Com carinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário