terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

O SUICIDA SERÁ SALVO?

O suicídio é um problema de grandes proporções em nosso país - cerca de 300 mil pessoas se matam a cada ano. E quando esse infortúnio acontece numa família cristã, muitas vezes o sofrimento é ainda maior, pois além da perda trágica, uma questão terrível fica "flutuando" no ar: o suicida será salvo

Ocorre que várias denominações cristãs, inclusive a Igreja Católica, defendem a tese de que o(a) suicida está condenado, o que só aumenta o desespero da família. 

Antes de prosseguir, acho que vale a pena fazer um parêntesis: fico estarrecido com a facilidade com que líderes cristãos se arrogam o direito de passar julgamento sobre outras pessoas, atrevendo-se até a definir quem será (ou não) salvo(a). Pelo que conheço da Bíblia, o julgamento final cabe a Deus e não a seres humanos.  

Assim, meu objetivo aqui é justamente discutir a questão do suicídio em detalhe e mostrar que a salvação do(a) suicida depende de muitos outros fatores, além desse ato desesperado. 

Muitas pessoas argumentam que não há o(a) suicida ser salvo porque a pessoa que vier a cometer esse ato não terá como se arrepender. E eu responderia a essa alegação: quem garante que qualquer um(a) de nós, quando morrer, terá se arrependido antes de cada pecado que cometeu? Acredito que praticamente ninguém. Esse tipo de objeção, portanto, não agrega muito à discussão. 

Entendendo melhor o pecado do(a) suicida 
É importante perceber que a Bíblia não trata diretamente da questão do suicídio - não fala como o suicídio é visto por Deus. Assim, essa questão é analisada por analogia com outros temas similares. 

O ato de tirar a própria vida, em princípio, é pecado porque a vida humana é sagrada. Há quem argumente que como o mal foi feito pela pessoa contra si mesma, não haveria pecado. Há pecado porque se trata de atentado contra o dom da vida que Deus deu e somente Ele pode retirar - é isso que está por trás do mandamento de não matar (veja mais). 

Agora, um ato desse tipo pode ter muitos atenuantes como, por exemplo, a doença mental. É evidente que uma pessoa, num momento de privação de sentidos, comete esse ato, ela não poderá ser responsabilizada por Deus pelo que fez, pois não tinha controle de suas próprias faculdades mentais - na minha família houve um caso exatamente assim.

O desespero, outra causa frequente suicídio, é uma questão um pouco diferente: se a pessoa chegou nesse ponto, é porque não confiou em Deus (no sua misericórdia, na sua capacidade de socorro, etc). O caso clássico é o de Judas Iscariotes, apóstolo que se matou após trair Jesus: ele não confiou que poderia ser perdoado da terrível traição que cometeu. 

Tenho para mim que o maior problema, no caso do suicídio por perda da esperança, não é o ato em si, mas a falta de fé. E como a salvação só é alcançada mediante a fé, existe um risco real aí.

Agora, é claro que, ao julgar essa pessoa, Deus também levará em consideração atenuantes como as circunstâncias da sua vida (por exemplo, uma doença que gera dores fortes e constantes), o acesso que a pessoa teve aos ensinamentos de Jesus, o apoio que recebeu de outras pessoas e assim por diante. Não se trata de um julgamento automático: matou-se por falta de fé, logo está condenado(a).

Lembre-se sempre que Deus é muito mais misericordioso do que imaginamos, senão ninguém seria salvo(a).

Palavras finais 
É claro que o suicídio é terrível e causa grande sofrimento em todo mundo e, em princípio, trata-se de pecado. Mas o ato em não caracteriza automaticamente a condenação do(a) suicida, como algumas pessoas defendem. Há muito mais em jogo, conforme expliquei acima.

Portanto, se você infelizmente vier a viver essa experiência, não perca a esperança e nem fique sofrendo por causa da salvação de quem se suicidou - já basta o sofrimento causado pela perda do ente querido em si. 

Entregue a questão na mãos de Deus, pois Ele é o juiz mais justo e misericordioso que existe. Confie n´Ele. E essa é mais uma prova de fé que você poderá dar na sua vida.

Com carinho

10 comentários:

  1. NOSSA! Nunca havia olhado por este ângulo! Maravilhoso e esclarecedor! bj

    ResponderExcluir
  2. Nao fale do catolicismo sem realmente conhecer...
    A santa igreja prega que o nosso Deus eh um Deus de amor e piedade, somente cabe a ele julgar qualquer ato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em primeiro lugar, eu tenho o maior respeito pela Igreja Católica.

      Em segundo lugar, não sou um especialista em doutrina católica e nunca tive a pretensão de me fazer passar por mais do que sou. Mas conheço o suficiente para fazer alguns comentários.

      E o comentário que fiz, em relação aos suicidas, não foi injusto, pois tradicionalmente a Igreja Católica nem permite que os suicidas sejam enterrados em "campos santos", ou seja nos cemitérios que tenham sido consagradaos.

      Portanto, apenas mostrei que tenho um diferença teológica com a forma como a tradição católica pensa. E infelizmente muitos evangélicos pensam da mesma forma e discordo deles também.

      Isso em nada caracteriza qualquer posição minha que a Igreja Católica não defenda que Deus é amoroso.

      Excluir
  3. Parabens pelo artigo...sim claro quem somos nos para julgar ...senao...somente Deus abços

    ResponderExcluir
  4. isso e verdade somente a DEUS PERtene julgar mas sinceramente se formos nessa logica que tudo DEus perdoa nada adianta sermos santos fieis passarmos prova teve momentos da minha vida que fiquei fora de mim mas logo voltei e pedi perdao pois tenho espirito santo ele foi dadoa nos para nos guiar e consolar entao nao entendo dizer que a pessoa e doente mental servindo a cristo sendo que a propria palvra diz que somos nova criaturas que as coisas velhas ja passaram Deus cura e liberta qualquer doenca e doenca alguma pertence a DEUS pois jesus levou sobre si todas nossas infermidades entao quer dizer que Deus sendo o poder uniciente sabendo que a pessoa ira tirar a vida prefere deixa lo fazer doque curar seja la qual for a doena ou problema?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A lógica de Deus tudo perdoar não é minha e sim da Bíblia. Deus somente não perdoa a blasfêmia contra o Espírito Santo.

      Agora, a questão real não é a disposição de Deus de perdoar e sim a sinceridade do arrependimento de quem pede perdão. Uma pessoa que peca repetidamente, fazendo sempre a mesma coisa, e depois se arrepende, pode ter a sinceridade do seu arrependimento questionada.

      E se o arrependimento não é sincero, Deus não perdoa. Simples assim.

      Vinicius

      Excluir
  5. simples assim leia em 1 corintios 3,16,17 nao sabeis vos que sao templo de Deus e que o epirito de Deus habita em vos?se alguem destruir o templo de DEUS DEUS O DESTRUIRA porque o templo de Deus que sois vos e santo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente, não é tão simples assim como você imagina. E eu me explico.

      Você defende a tese que o suicida será condenado porque destruiu seu corpo, que é o Templo do Espírito Santo e cita o texto de Paulo como prova da sua afirmação.

      Ora, a proibição de matar (destruir o Templo do Espírito) não é tão direta assim. Ela tem muitas nuances e todas elas sancionadas pela própria Bíblia. Por exemplo, não é considerado pecado por Deus matar no caso da auto-defesa, da defesa de um inocente, numa guerra justa, na aplicação da pena de morte a alguém justamente condenado e assim por diante.

      Ou seja, há uma condenação básica contra o ato de matar, mas a própria Bíblia ensina que há situações onde matar é admitido por Deus.

      E o mesmo se aplica ao caso do suicida. Por exemplo, se a pessoa que comete esse ato estiver mentalmente doente, fora das suas faculdades mentais, como é muito comum, irá Deus condená-la? Acredito que não, afinal a pessoa não tinha consciência plena do que fazia.

      Ale´m disso, o próprio texto que você citou admite outras interpretações, não ´tão simples assim como você quer crer. Muitos teólogos evangélicos entendem esse texto como se referindo á destruição da comunhão da comunidade cristã - por exemplo, veja o comentário a esses versículos na Bíblia Vida Nova do respeitado teólogo Russel Shedd - ele defende exatamente essa posição

      Concluindo, a situação do suicídio não é tão simples de analisar assim. E devemos nos privar de passar julgamento, dizendo que a pessoa será ou não salva, pois simplesmente não dá para saber. Foi isso que quis mostrar no meu texto.

      Vinicius

      Excluir
  6. amem irmao vc e mais entendido que eu eu leio alguns topicos seus da pra ver seu conhecimento mas nao concordo com algumas mas salvacao e individual vou cuidar da minha so sei que eu nao vou me matar rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro

      Você está certo. É preciso ler e se informar para aprender mais. Agora, não é preciso concordar com tudo que as outras pessoas dizem.

      Fico feliz que você não corra risco de suicidar. E isso é sinal de saúde mental - a maioria das pessoas que se suicidam são doentes, tem depressões profundas ou psicoses maníaco-depressivas. Coisa muito triste.

      Por isso sobretudo é preciso ter pena dessas pessoas.

      Abs
      Vinicius

      Excluir