segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

VOCÊ SABE QUAL É A SUA MISSÃO?

Por favor, leia este mesmo post no meu novo site http://www.sercristao.org/2016/02/08/voce-sabe-qual-e-sua-missao/ . 
É muito comum que gerentes de uma grande empresa se reúnam para escreverem, em conjunto, a declaração da missão da organização à qual pertencem. Trata-se de alguns poucos parágrafos de texto estabelecendo o que a empresa se propõe a ser e a fazer no mercado que atende. 

Normalmente essa declaração é criada ao fim de longo processo onde essas pessoas analisam a empresa em todos seus aspectos - história, vocação, vantagens competitivas, desvantagens, riscos que corre, oportunidades que pode explorar, etc.

O documento contendo a missão da organização costuma ser amplamente divulgado para todos os(as) empregados(as) e colaboradores(as), sendo emoldurado em quadros espalhados pelos escritórios da organização. 

No melhor dos mundos, o conteúdo dessa declaração acaba por se tornar parte da cultura organizacional e termina por influenciar a forma como a organização opera no dia-a-dia. 

Infelizmente, na maioria das vezes as intenções ali descritas ficam limitadas ao papel, sem gerar maiores consequências práticas.

Jesus apresenta sua missão
Jesus também fez uma declaração de sua missão. E fez isso logo no começo do seu ministério, como seria de  se esperar. 

Quando Jesus visitou Nazaré, cidade onde fora criado, e visitou a sinagoga local, já era motivo de comentários entre o povo por causa da autoridade que tinha para falar sobre as coisas de Deus.  Logo, não foi por acaso, que os líderes da sinagoga de Nazaré convidaram-no a ler a Bíblia (Velho Testamento) durante sua visita. 

Afinal, o texto que Jesus escolhesse para ler poderia dar uma indicação mais clara sobre o que pretendia fazer durante seu ministério. E assim aconteceu: Jesus escolheu um texto do profeta Isaías (Lucas capítulo 4, versículos 18 a 19) que diz: 
O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar aos pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para por em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor.
Depois de ler esse texto, Jesus enrolou o pergaminho e declarou para todos (versículos 20 e 21): Hoje se cumpriu a Escritura que acabais de ouvir

Ele não poderia ter sido mais direto: o texto estabelecia sua missão e Ele já a estava cumprindo.  E foi exatamente isso que Ele fez durante os três anos em que atuou.

Por exemplo, quando João Batista já estava preso, mandou seus discípulos irem até Jesus e perguntarem a Ele se era mesmo o Messias. E Jesus respondeu reafirmando sua missão (Lucas capítulo 7, versículos 19 a 23) e concluiu perguntando: Estou ou não cumprindo tudo isso?

A missão da igreja
Deus estabeleceu uma declaração de missão para a Igreja cristã, que nos cabe obedecer. E essa declaração envolve três coisas. A primeira é agir sempre em comunidade, ou seja junto com outros(as) cristãos(ãs), para que uns possam ajudar e dar apoio aos(às) outros(as). 

É claro que as igrejas locais fatalmente terão defeitos pois são formadas por seres humanos imperfeitos. Mas Deus nos quer congregando - tanto é assim que a Bíblia diz que quando agimos nas igrejas locais, nos transformamos em sacerdotes de Deus  (1 Pedro capítulo 2, versículo 9). E foi esse o exemplo que Jesus deixou ao escolher doze apóstolos (veja mais).

O segundo aspecto da nossa missão é a obrigação de falar de Jesus em todas as oportunidades que tivermos (Marcos capítulo 16, versículos 15 e 16).

Finalmente, nossa missão também inclui olharmos pelos pequeninos, as pessoas despossuídas (Mateus capítulo 25, versículos 31 a 46), o que significa
  • Dar de comer aos famintos e de beber aos sedentos (tanto no aspecto material como espiritual)
  • Vestir os que estiverem nus, em outras palavras garantir a dignidade humana daquelas(as) que a perderam
  • Cuidar dos(as) que sofrem, como os(as) doentes
  • Visitar quem estiver preso, tanto fisicamente em cadeias, como também aqueles(as) aprisionados pelos vícios que escravizam
  • Agir de forma amigável e respeitosa com os(as) pecadores(as)
  • Acolher o(a) estrangeiro(a), tanto quem muda de país ou cidade, como quem chega na igreja onde congregamos sem conhecer nada e nem ninguém
  • Defender os(as) mais fracos(as).    

Palavras finais
Cabe a cada um(a) se auto examinar e ver se está cumprindo verdadeiramente sua parte na missão que Deus nos deu.

E o cumprimento dessa missão não pode se resumir a poucas  atividades desempenhadas aos domingos. Nossa missão deve pautar nossa vida em todos os momentos, no trabalho (ou local de estudo), na família, na igreja local e no lazer. 

Com carinho   

3 comentários:

  1. Olá Vinicius,

    Concordo com suas publicações que você posta em seu blog. E agradeço pois tenho aprendido muito. Sou Católico mas não seguia a igreja ate um tempo atrás, antes de me converter dos vícios, gostaria de saber o que você diz da nossa religião? Grato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro (minha cara)

      Eu nasci e fui criado no protestantismo, mas tenho apreço pela igreja católica. Mas infelizmente essa não é a posição de muitos evangélicos, que se colocam em posição muito crítica, acusando a igreja católica de idólatra, dentre outras coisas sérias.

      Penso que aqueles que fazem isso, esquecem-se daquilo que Jesus ensinou (olhar para os próprios erros antes de criticar os dos outros), pois tem sido no meio evangélico que tem grassado aberrações doutrinárias, como a teologia da prosperidade, que permite os pastores explorar o povo.

      Meu apreço pela igreja católica decorre de algumas coisas. Primeiro, é uma igreja cristã. E isso para mim é o principal. Depois, foi uma igreja muito importante para a manutenção da fé cristã ao longo da história. Cometeu erros, é verdade, mas também fez muita coisa boa. Finalmente, nessa igreja militaram pessoas admiráveis, como Madre Teresa ou Francisco de Assis, que deram exemplo muito rico para todos nós.

      É claro que tenho discordâncias de algumas visões doutrinárias católicas, por exemplo na questão de Maria como a mãe de Deus (os protestantes a veem, com todo respeito, como a mãe do homem Jesus). Há também a questão da autoridade inconteste do papa. A questão da veneração aos santos. E assim por diante.

      Mas essas divergências são naturais. Também existem no meio protestante, entre arminianos (metodistas) e calvinistas (presbiterianos) sobre a questão da predestinação, ou com os batistas em relação ao batismo.

      O importante é você frequentar uma paróquia que tenha um padre bom, com cabeça arejada e que viva aquilo que prega.Como em todas as igrejas, há sacerdotes bons e sacerdotes ruis e encontrar um bom líder espiritual faz toda a diferença.

      Espero que você construa uma vida espiritual plena e saudável na sua igreja e seja muito feliz nela.

      Abs
      Vinicius

      Excluir
    2. Realmente a coisa que mais se houve falar da igreja católica é sobre as imagens ( igreja e para doentes não um museu de santo ) mas eu porem sigo a palavra da Bíblia, sou adorador de Cristo, frequento a igreja católica por ser minha religião. Mas minha intenção sempre foi louvar a Deus, não seguir fielmente a igreja e sim a palavra ( Bíblia ). Muito obrigado pela resposta Vinicius. Forte abraço

      Excluir