terça-feira, 1 de março de 2016

FICANDO LIVRE DO REMORSO EXCESSIVO


Remorso é um sentimento comum e muito destrutivo. As pessoas que nutrem esse tipo de sentimento por longo tempo, sem conseguir encontrar uma solução, acabam passando por problemas sérios, inclusive de saúde.

Os depoimentos de pessoas que sofrem com o remorso são quase unânimes em registar que a vida parece perder todo o encanto - elas sentem que não mais têm o direito de serem felizes e/ou receber bençãos de Deus.

O remorso nasce quando a pessoa toma consciência de ter cometido um pecado importante. Nessa altura do processo, duas coisas podem acontecer. A primeira é a pessoa pedir perdão a Deus, aceitar sua Graça e sentir-se perdoada. Em outras palavras, o problema é superado, embora cada vez que a pessoa lembrar do pecado cometido vai sentir um aperto no coração, como se fosse a cicatriz de um ferimento já curado mas que lateja quando o tempo muda.

Outro caminho possível para quem sente remorso é a pessoa ficar meio "congelada" espiritual e emocionalmente: no íntimo, ela pensa que seu pecado foi tão sério que não pode ter perdão. Aí a pessoa se entrega ao remorso. 



Ora, do ponto de vista teológico, somente a ofensa contra o Espírito Santo não pode ter perdão e pessoas que cometem esse tipo de pecado são muito raras (veja mais). Portanto, na esmagadora maioria dos casos, as pessoas continuam a sentir remorso por pecados que podem (e frequentemente já foram) perdoados. O fato é que bem lá no fundo a pessoa não quer ser perdoada - pensa merecer ser punida. 

Lembro do depoimento de uma mulher que fez um aborto e nunca mais teve paz de espírito - sua vida tornou-se uma longa e contínua tortura. Seu remorso era tão sério que, ao engravidar de novo, ficava aterrorizada com a possibilidade do bebê nascer com problemas físicos como punição pelo que tinha feito. Ela eventualmente curou-se dessa doença espiritual, depois de muita oração e com o apoio de vários irmãos(ãs) na fé. 


O problema que está na raiz do remorso sem esperança é a falta de confiança na Graça de Deus. E acreditar (ou não) nessa Graça faz toda a diferença.


A Bíblia conta a história de dois apóstolos que tomaram caminhos diferentes quando foram afetados pelo remorso gerado pelo seu pecado. O primeiro, Judas, traiu Jesus e depois de se dar conta do que tinha feito, acabou se suicidando por não acreditar que poderia ser perdoado. Já Pedro, negou Jesus por três vezes mas confiou na Graça de Deus, foi perdoado e restabeleceu sua vida e ministério.

Dois apóstolos, ambos pecadores com remorsos. Um recuperou-se, enquanto o outro levou o remorso às últimas consequências e destruiu a própria vida. A diferença entre o destino deles foi consequência exclusiva da sua relação com a Graça de Deus: um teve a confiança nela e outra não.

Não importa qual tenha sido seu pecado, se você se arrepender e confiar na Graça de Deus, será perdoado(a). E poderá seguir em frente com sua vida e exercer o ministério espiritual que Deus eventualmente tiver separado para você.
E a sua garantia para isso é simples: o sangue que Jesus derramou na cruz. É assim que funciona a fé cristã.

Com carinho  

Nenhum comentário:

Postar um comentário