domingo, 9 de dezembro de 2012

O DIVÓRCIO É PECADO?

Esse é um tema muito, mas muito controvertido, entre os cristãos. Hesitei um pouco em me pronunciar sobre ele pois, como sou divorciado, poderia não ter a necessária isenção para tratar dele. Mas, pensando melhor, acho que não posso me furtar a dizer o que penso, mesmo que seja criticado por isso - os leitores deste blog merecem isso de mim. 

E quero deixar bem claro, desde o início, que o divórcio não é uma boa saída para os problemas conjugais. Pode ser até a única saída disponível, em determinados casos, mas o divórcio sempre traz sofrimento, tanto para o casal, como para os filhos. E sempre deixará atrás de si a sensação de fracasso, pois o divórcio é exatamente isso - o fracasso de manter uma relação muito importante. Portanto, todo esforço deve ser feito para preservar os casamentos, sempre que possível.

Mas ainda assim é preciso ter uma resposta para as inúmeras pessoas cristãs, como foi meu caso, que se vêem ante o divórcio. Divorciar-se é pecado? Divorciar-se e casar de novo é adultério?

Uma discussão apropriada do tema, em todas as usas nunaces, seria muito longa para o espaço que tenho aqui. Assim, poderei apenas esboçar os principais argumentos para tentar tirar o peso que muitas vezes é jogado sobre os ombros das pessoas, que já sofrem com a separação em si, quando esse ato é rotulado de "pecado" grave.
O que Jesus disse 
A base dessa discussão está em dois textos bíblicos, um de Jesus e outro do apóstolo Paulo e vou começar pelo que Jesus disse. 

Antes de tudo, é preciso entender o pano de fundo para o pronunciamento de Jesus. Em Deuteronômio capítulo 24, versículo 1, a lei que diz que o marido podia se divorciar da mulher no caso de "coisa indecente" praticada por ela. A questão que havia, então, era como definir "coisa indecente" - é importante perceber que a discussão é sempre dos direitos do homem quanto a pedir o divórcio, pois a mulher nunca podia tomar essa iniciativa.

Havia duas escolas rabínicas que competiam entre si: a de Hillel e a de Shamai. Hillel sempre interpretava as leis de forma mais liberal e, quase sempre, Jesus concordava com suas abordagens. E na controvérsia sobre o divórcio, Shamai interpretou a lei dizendo que o divórcio somente poderia ser possível se a esposa fosse infiel ou se deixasse de prover cuidado emocional e material ao marido (Êxodo capítulo 21, versículos 10 e 11). Já Hillel, entendeu que "coisa indecente" se aplicava a muitas situações e, portanto, um homem podia se divorciar até por não gostar da comida da esposa ou por ela ter envelhecido. 

Jesus foi pressionado pelos fariseus a se pronunciar sobre essa controvérsia e ele respondeu da seguinte forma (Mateus capítulo 19, versículo 9): 
"Quem repudiar sua mulher, não sendo por relações sexuais ilícitas, e casar com outra, comete adúlterio (e o que casar com a repudiada comete adultério"
Em outras palavras, Jesus disse que, nesse caso, Ele apoiava a interpretação mais restritiva de Shamai, limitando as razões válidas para divórcio. E a razão foi simples: a posição mais rígida era a que melhor defendia a mulher, a parte mais fraca no casamento.

Infelizmente há muitos que olham para as palavras de Jesus e as tomam ao pé da letra: entendem que Ele proibiu o divórcio, em qualquer situação, exceto em caso de adultério. Mas essa interpretação é muito problemática, pois se levarmos o texto ao pé da letra, a proibição se aplicaria apenas ao divórcio por iniciativa dos homens e as mulheres estariam livres para se divorciar sem restrição, pois elas não foram citadas por Jesus.

Mas é claro que Jesus não se referiu às mulheres porque elas não podiam pedir divórcio e certamente o ensinamento se aplica também a elas. Ora, para chegar a essa conclusão é preciso considerar as circunstâncias em que o ensinamento foi dada e aí a interpretação não é mais apenas ao pé da letra. 

E, se vamos levar em conta as circunstâncias, é preciso considerar a questão entre Hillel e Shamais, que mencionei acima e que Shamais, com quem Jesus concordou, também também admitia como válidas, para fins de divórcio, a negação de cuidados físicos e emocionais. 

Portanto, a melhor leitura do ensinamento de Jesus é: o divórcio não pode ser fator de injstiça, quer contra o homem, como contra a mulher. Quando isso ocorre, o divórcio é pecado. E a injustiça está sempre presente quando não motivo aceitável: infidelidade e negação de cuidados físicos ou emocionais.

O que Paulo disse                                                              (1 Coríntians capítulo 7, versículos 3 a 15)
"O marido conceda à esposa o que lhe é devido e também semelhantemente a esposa a seu marido...Ora, aos casados, ordeno, não eu mas o Senhor, que a mulher não se separe do marido (se, porém, ela vier a separar-se que não se case, ou que se reconcilie com seu marido); e que o marido não se aparte da sua mulher ... Mas, se o descrente quiser apartar-se, que se aparte; em tais casos não fica sujeito à servidão, nem o irmão, nem a irmã; Deus vos tem chamdo à paz."
Paulo começa por dizer que os esposos devem conceder um ao outro o que lhe é devido. E não detalha o que é isso, exceto no que tange aos direitos relacionados com o direito ao sexo. Isso porque todos os leitores daquela época conheciam os textos de Êxodo e Deuteronômio que citei acima, que se referem à fidelidade e obrigação de cuidados físicos e emocionais.
 
A seguir Paulo usa palavras fortes proibindo o divórcio. Mas, pela ordem do texto, onde ele colocou antes a obrigação e depois a proibição, fica claro, a meu ver, que a proibição se aplica desde que a obrigação tenha sido cumprida. Ou seja, se a esposa (ou o marido) cumprir for fiel, der apoio moral e material ao seu marido, é proibido divorciar-se dela. 

O que vemos aqui é Paulo falando mais ou menos o que Jesus já tinha dito: o divórcio por motivos fúteis, é pecado

Mais adiante, Paulo dá uma outra possibilidade que pode ser alegada para pedir divórcio: o abandono de um cônjuge pelo outro. E faz todo sentido, porque um cônjuge abandonado não pode receber apoio material e emocional. 

Ao final, Paulo diz ainda algo de grande importância: Deus nos chama para termos paz! Ou seja, aparece aí um qualificador para o casamento, que permite entender melhor quando é possível pedir divórcio, de forma lícita: onde não há mais esperança de haver paz.  

Palavras finais
Assim, situações onde um dos cônjuges nega ao outro amor, comete abusos emocionais e físicos, trai repetidamente ou abandona, dentre outras, podem caracterizar uma quebra de confiança irrecuperável dentro do casamento. E aí a paz conjugal não mais poderá ser reestabelecida. 

Abre-se, então, espaço para o divórcio, sem que haja pecado, bem como para reconstrução da vida daquele/a que se divorciou com outro/a parceiro/a. 

Concluindo, o divórcio em si não é pecado, desde que haja razões justas para ele. Pecado é aquilo que antecede e justifica o divórcio: desamor, falta de tolerância, quebra da confiança, e assim por diante.

Com carinho


 

74 comentários:

  1. Vinícius, e a pessoa que se casa com um divorciado (a) no caso, comete pecado, sendo ela cristã ou não? E ele(a) pode se casar de novo? Pq ao meu ver a pessoa (divorciada) não vai ficar sozinha o resto da vida depois de ter se divorciado?!...
    Abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daziele

      Tinha respondido essa pergunta, mas não sei porque a resposta não foi publicada. Então vou responder de novo: antes tarde do que nunca.

      Se o divórcio se deu por motivo justificado - infidelidade, abandono do lar ou falta de cuidado -, conforme comentei no meu texto, ele foi lícito e, portanto, o novo casamento pode acontecer sem qualquer problema.

      As restrições que Jesus e Paulo fizeram sempre foi ao divórcio por motivo fútil, o que era muito comum naquela época e prejudicava especialmente as mulheres.

      Excluir
    2. olá Vinicius,
      Gostaria de parabenizá-lo pelo seu blog.
      As palavras aqui deixadas ajuda-nos a ter uma direção de pensamento a cerca de questões difíceis.
      Quero sua opinião:
      Uma pessoa casada, maltratada pela esposa, sem vida conjugal, amor e carinho da mesma, trai a esposa e acabam separando. Ele casa de novo e tem outro relacionamento sem sucesso. Devido ao desamor e desconfiança de traição por parte da nova companheira, arruma outras pessoa para tentar ser feliz e enfrenta mais uma separação. Em mais outro relacionamento não por traição mas por uma vida longe do evangelho e marcado pela vida, arruma outra pessoa e se separa de mais esse relacionamento. E arruma outro relacionamento e não dura muito por que até apanhar ele apanhou da companheira. Ela deixava ele dormir para sair na noite. Acabou voltando para igreja e no evangelho conheceu uma pessoa. Os relacionamentos anteriores não duravam mais de dois anos. Era somente aparecer o filho e existia a separação. Esta pessoa que ele conhecera na igreja, já tem quase 4 anos e não tem filhos e está muito feliz. A pergunta é: ELE ESTÁ EM PECADO E SEM DIREITO A SALVAÇÃO? Ele não queria esta vida e sim formar uma família e ser feliz com a esposa e seus filhos e nunca conseguiu.

      Excluir
    3. Boa Noite, e paz de Cristo,
      A Biblia diz em provérbios 28:13:
      "Quem esconde os seus pecados
      não prospera,
      mas quem os confessa e os abandona
      encontra misericórdia."
      Se essa pessoa está ou não em pecado, em tempo presente, é dificil dizer, pois não sabemos quais as práticas dela. Mas sem direito a salvação, não. Não me lembro de nada na biblia que tire o direito de salvação dos que estão vivos.
      Minha humilde opinião.

      Excluir
  2. Nasci em um lar cristão e nunca consegui compreender de fato essa questão relativa ao divórcio. O fato de o cônjuge ter consentimento para divorciar-se,é bem claro para mim, porém ao que me parece, o apóstolo Paulo adverte que embora haja permissão para separarem-se, a pessoa deve escolher entre ficar sozinha ou voltar para o "mesmo(a)" esposo(a). Gostaria que o irmão compartilhasse o seu parecer sobre minha dúvida.
    Obs.: Conheci seu blog hoje e quero parabeniza-lo pelas postagens, pois são de grande valia para os que tem prazer em conhecer mais profundamente a respeito de temas bíblicos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leila

      No sub-item do post intitulado "O que Paulo disse", eu apresentei uma referencia de texto de 1 Corintios, onde Paulo falou, dentre outras coisas, exatamente isso: se separar fique separado.

      A seguir eu qualifico, no meu texto, esse comentário do apóstolo:

      "... Paulo usa palavras fortes proibindo o divórcio. Mas, pela ordem do texto, onde ele colocou antes a obrigação e depois a proibição, fica claro, a meu ver, que a proibição se aplica desde que a obrigação tenha sido cumprida... O que vemos aqui é Paulo falando mais ou menos o que Jesus já tinha dito: o divórcio por motivos fúteis, é pecado."

      Daí veio a orientação dele: onde não houve motivo para o divórcio, o correto é voltar para o esposo(a) anterior.

      Essa é a questão: divórcio por motivo fútil é proibido. Por exemplo, a esposa envelheceu e deixou de ser atrativa sexualmente, não há motivo justo para o marido se divorciar dela por causa disso.

      Espero ter esclarecido.

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. ola vinicius,primeiramente quero parabenilazo pelo seu blog, parabéns!!

    é o seguinte, mantenho um relacionamneto com uma pessoa casada a 2 anos, ela diz que me ama e ja demosntrou isso inumeras vezes com atitudes, ela ja manteve outros relacionamnetos dentro do casamento que nao deram certo, um chegou a durar 4 anos e o outro 6 meses, ela diz que nao senti mais nada pelo marido mais tem muita dificuladade em se separar porque pensa muito no filho de 12 anos. eles ainda vivem juntos usam aliança e mantem um casamento de aparencias, o marido é apaixonado por ela e nao aceita o fato de que o sentimento dela por ele acabou, sempre que falam em si divorciar acabam nao resolvendo nada, ele sabe dos relacionamentos que ela ja teve e inclusive que estamos juntos a 2 anos. sempre negamos essa nossa relaçao para evitar problemas, ele contola ela o tempo todo colocou chip no carro, monitora emails liga o tempo todo pra saber onde ela esta, é um inferno!! ela quer tomar atitude mais acho que ela espera que ele peça a separaçao, porque ela diz que nao vai sair de casa, nesse caso se ela pedir a separaçao ela vai estar pecando aos olhos de deus? a minha uniao com ela depois vai permanecer no adulterio? nesse caso houve o adulterio, fornicaçao e imoralidade sexual, sera que depois da separaçao ficaremos livres do pecado para ficarmos juntos?

    espero que vc possa me ajudar, grande abraço!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem uma relação com uma pessoa casada e isso, aos olhos da Bíblia é adultério - desculpe minha franqueza, mas não vou poder ajudar se não for sincero.

      Entendo que essa questão precisa ser resolvida de imediato, não espere mais tempo - ou ela se reconcilia de vez com o marido, ou se separa de vez ou vc acaba com seu relacionamento com ela. Não continue pelo caminho do adultério, porque somente vai trazer mais problemas. Nada de positivo pode ser construído em cima do pecado.

      A solução melhor seria a restauração do casamento dela, inclusive porque há um filho. Não sei se isso é possível, mas desconfio que os laços dela com o marido sejam maiores do que parecem ser, senão ela já teria se separado há muito tempo.

      Na hipótese dela se separar e vcs ficarem juntos, a questão da continuação do adultério é real. No meu texto eu mostrei quais são as razões que, à luz da Bíblia, podem permitir a ruptura de um casamento. Ela se enquadraria em uma delas? Não sei, pois não tenho dados suficientes, mas pelo comportamento dela, desconfio que não.

      Sendo assim, a simples separação não vai resolver o problema. Ela tem questões espirituais sérias que precisarão ser vistas e envolver arrependimento, perdão, etc.

      Mas, sinceramente, a melhor hipótese para vc é tomar a iniciativa de romper essa relação, que não é espiritualmente saudável.

      E, em qualquer das opções, lembre-se que vc também vai precisar tratar seu pecado. Mas não há pecado que a Graça de Deus não possa cobrir, desde que seja reconhecido por quem pecou.

      E, se fizer o que é certo, vc pode sair dessa situação espiritualmente mais forte do que entrou.

      Abç

      Excluir
    2. amigo obrigado por responder minha pergunta, saiba que estou completamente perdido sem saber o que fazer, quanto ao laço dela em relaçao ao marido o que vc quis dizer, seria esperitual em que sentido seria?

      Excluir
    3. Minha experiência pessoal me diz que ninguém fica casado por tano tempo, somente por causa do filho. Não na soceidade atual. Se meu raciocínio estiver correto, há algo além da questão do filho e da recusa do marido em aceitar a separação, que a mantém junto dele. Pode ser até um laço do qual ela não tenha consciência verdadeira, mas que existe.

      Passando a outro ponto, eu acredito que vc esteja se sentindo perdido porque sua mente diz para vc o que seria certo fazer, nesse caso, mas seu coração se recusa a aceitar. Esse é um dilema muito comum na vida de qualquer ser humano. Eu mesmo já passei por ele diversas vezes.

      Minha sugestão é que você se cncentre naquilo que sua mente entende ser o certo e ore a Deus para que confirme se é isso que Ele quer para vc. E desde já adinato, que Ele quer que vc deixe de fazer aquilo que é errado. Abç

      Excluir
  5. vc acha que se eu sair desse relacionamento agora, eu sofreria menos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Bíblia nos ensia que o salário do pecado é a morte. Pode ser a morte física - como aconetec com os víciados -, a morte moral - como acontece com os políticos corruptos -, ou espiritual. A permanência no pecado afasta a gente de Deus e isso leva ao enfraquecimento da fé.

      Não se trata de que vc vai ser mais ou menos feliz. Isso é importante, mas não é o mais importante. E sim que vc não se pode permitir afastar de Deus e ver sua fé definhar. O custo disso é gigantesco.

      Então nada daquilo que afasta vc de Deus, nem mesmo o amor de uma mulher especial, vale esse risco. Simplesmente não vale. Abç

      Excluir
  6. só para finalizar....pelo que eu entendi somente o marido pode dar a ela essa libertaçao é isso?.....sendo assim ficaremos livre do pecado para vivermos juntos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem libera é Deus e não o marido - só Ele pode derramar sua Graça.

      Agora para que isso aconteça, é preciso que fique claro para Deus que o arrependimento das pessoas que pecaram é sincero. Isso porque sem arrependimento não haverá perdão.

      Uma simples tentativa de ação junto a Deus para garantir que vcs possam ficar juntos, não dará resultado. Deus lê o interior de vcs e não se deixa enganar.

      Ou há sinceridade no arrependimento ou não haverá perdão. Simples assim. E a sinceridade começa por aceitar que Ele possa não querer que vs continuem juntos, por conta do que aconeteceu. Eu não sei, pois isso cabe a Ele decidir.

      Excluir
    2. mas se o marido pedir divorcio, ele estará liberado para casar, não ela, ele teve motivo não fútil para o divorcio e não ela, ela terá que ficar solteira ou voltar para ele, e se você continuar com ela mesmo depois do divorcio você estará ainda em adultério. melhor conselho DEUS não se agrada do que está fazendo sai fora disso, ore a DEUS e peça a direção Dele que Ele te guiara, mas com certeza você tem que sair disso não fique arrumando desculpa, que separando ou não você estará em pecado.

      Excluir
  7. ola. eu casei muito cedo,aos 17 anos pois engravidei.minha mãe quem assinou pra eu me casar no civil.fiquei casada 5 anos e hj com 22 anos,tenho certeza que estou arrependida de ter me casado e que nao amo meu marido.Meus pais são evangelicos e dizem que nao aceitam o divorcio. Eu estou separada e namorando,alias,estou muito feliz,muito mesmo.
    Gostaria de saber se eu poderia me casar novamente daki á alguns anos,meu namorado é solteiro. mão queria ficar com culpa de ter me divorciado,mas eu realmente nao amei meu marido nenhum só dia do meu casamento.
    Será que deus ira me condenar por ter escolhido o que concerteza ée o melhor pra mim?? obrigado. adorei o blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leticia

      As pessoas acabam sofrendo muito por coisas que não deveriam ter esse peso todo na sua vida.

      Não sou especialista em questões matrimoniais, mas sei que dificilmente um casamento feito em idade tão nova (17 anos) e apenas porque vc se engravidou, daria certo. Faltou maturidade, vontade de casar e até amor, como vc bem comentou.

      Certamente você cometeu erros e seu ex-marido também. Agora o que a Bíblia nos ensina é que se nos arrependermos dos nossos pecados, Deus nos perdoa. E se não fosse, assim, ninguém iria para o céu. Peça perdão a Deus e, se for o caso, para seu ex-marido também, dependendo do que vc tenha feito.

      Depois fale com Deus com sinceridade e diga para Ele sua vontade de reconstruir sua vida, de forma melhor, sem repetir os erros do passado. Coloque-se nas mãos dlele e peça orientação para sua vida futura e pode ter certeza que Ele dará.

      Eu não posso falar por Deus mas, no seu lugar, a partir disso, eu não me sentiria em pecado por refazer a minha vida com outra pessoa.

      Agora, acredito que vc e o seu ex-marido tenham o direito de ter uma segunda oportunidade na vida e construir, cada um por seu lado, lares estáveis e felizes.

      Que Deus abençõe muito a você nesse novo caminho.

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Olá Vinícius,gostei do teu blog,gostaria que vc pudesse mima judar.
    Sou missionária,ao longo de tantos anos solteira no campo conhecí um rapaz,mim apaixonei,estava num momento de muita solidão,porém ele não tem chamado para o ministério,sabia disso antes de casar,apaixonada mim iludir achando que mais tarde ele iria estar junto comigo na obra.
    Entretanto,ele não quer nem mim acompanhar a igreja,estou infeliz,angustiada,e fazendo ele também infeliz.
    Dentro do que vc entende estou fadada a viver infeliz por resto da vida?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há alguns problemas misturados aí. O primeiro é muito comum: diferenças entre os cônjuges. Você tem um chamado para missão e ele não. Não há nada errado nisso, mas a situação fica complicada quando há uma vida em comum.

      Se ele não escondeu isso de você, antes de casarem, infelizmente foi você quem cometeu o erro de pensar que ele viria a mudar, mas isso não aocnteceu. Esse é outro erro muito comum também.

      Em segundo lugar, você precisa verificar a questão do seu chamado, se ele terá que ser construído em cima da destruição de seu casamento - acho que você precisa conversar muito com Deus a esse respeito.

      Afinal há várias formas de servir a Deus e talvez seja possível encontrar uma maneira que atenda tanto o seu chamado quanto o direito dele.

      Quanto à questão da sua felicidade, é preciso pensar que não se trata somente disso, mas também da felicidade da pessoa com quem você casou. Ambas as coisas têm o mesmo peso aos olhos de Deus.

      Excluir
  10. Oi Vinicius,obrigada por mim responder,preciso sim conversar muito com Deus,não está sendo nada fácil manter a hamonia no casamento,temos sonhos diferentes.

    ResponderExcluir
  11. Oi VINICIUS,somos evangelicos eu e meu marido ambos divorciados.moramos juntos há 5 anos,gostaria de saber se é necessário,nos casarmos no civil,para que eu possa me batizar nas águas,e participar da ceia.Estamos vivendo em pecado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu comentário envolve vários assuntos misturados. Portanto, vou precisar fazer um esclarecimento por partes.

      Primeiro, batismo nada tem a ver com seu possível pecado ao se divorciar. Batismo é o reconhecimento público de que você aceitou Jesus como seu Salvador e Senhor. Somente isso.

      Se fosse necessário não ter pecado para se batisar, ninguém poderia ser batisado, nem os pastores, pois segundo a Bíblia todos pecam. Se sua igreja faz esse tipo de exigência, lamento informar que ela vai contra a Bíblia - pense seriamente em mudar de igreja.

      A Ceia é a memória do sacrifício de Jesus por nós na cruz. Também não há qualquer exigência para que a pessoa somente possa tomar a ceia estando sem pecado, pois então ninguém poderia tomar a ceia, nem os pastores.

      Agora, quanto ao eventual pecado de ter se separado, eu não posso fazer qualquer comentário direto pois não conheço seu caso. Meu post apresenta o que a Bíblia fala a respeito e acredito que você possa tirar suas próprias conclusões.

      Se, ao fazer essa análise, você achar que pecou, arrependa-se e peça perdão a Deus. Não há pecado sem perdão, exceto aquele contra o Espírito Santo, o que não seria o caso. Peça também perdão às pessoas que você possa ter ferido no processo de separação.

      E aceite o perdão de Deus e aprenda a viver em paz com Ele.

      Um abraço

      Excluir
  12. Oi amigo. Me chama muita atenção as suas palavras. Vejo os traços de um sabedoria que não é terrena. Cuide bem disso. Meu caso é um pouco complicado. Estou casado muitos anos, amo minha esposa, e desconfio do amor dela por mim, e explico porquê. Há luta que já dura anos e estou cansado de combatê-la. Minha esposa foi inundada por uma doença e a doença é falar mal de mim, de tal ordem, que já tentei de tudo que possas imaginar, mas não vale a pena, ela abre nossa relação para o exterior como se nada fosse, sou mal pai, mal esposo, mal companheiro, mal humorado, passa a vida a me mentir e as loucuras que ela faz contra mim são contadas por suas próprias amigas a mim que chegam a ter pena de mim, e eu por mais que queira resolver a situação, não aguento mais nenhum dia, estou exausto, durmo com minha pior inimiga, mas ela insiste em viver comigo devido ao nosso filho de 7 anos, uma bênção de Deus e devido ao medo do divórcio, mas tenho a plena certeza que tanto ela, quanto eu, mesmo amando-a, poderemos ser felizes separados, pois as suas constantes apunhaladas já me tiraram tanto sangue(vida) que estou sem forças e preciso me encher novamente, até porque sou servo e quero ter uma família servindo a Deus. Nesse caso seria um motivo lícito para me divorciar dela e acabar por fim com esse sofrimento mútuo. Não quero nada dela e deixarei tudo que foi construído entre nós com ela, só quero respirar e dormir em Paz sabendo que apesar de tudo ao menos aos olhos de Deus estou apto a herdar a herança enterna.(eternidade)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço suas palavras. E você tem razão em dizer que a sabedoria verdadeira vem de Deus e somente d´Ele.

      É evidente que eu conheço seu caso apenas pelo que você fala e sempre é bom conhecer as duas versões antes de dar opiniões. Afinal pessoas diferentes vêm os mesmos fatos de forma diversa e isso aocntece até com os Evangelhos, onde temos quatro depoimentos diferentes sobre a vida de Jesus.

      Portanto, mesmo correndo o risco de estar comentando em cima de uma avaliação parcial dos fatos, vou dizer o que penso tomando por base apenas o que você relatou.

      Há algumas coisas a serem consideradas aqui. E começo pelo temor que tenho quanto às "almas caridosas" que ouvem as críticas da sua mulher e vem contar para você. Tenha em conta que elas também vão levar de volta para sua mulher o que elas ouvirem de você, falando em relação a ela. Muitas pessoas tiram prazer dessa posição de "leva e trás" e, provavelmente, não são tão suas amigas e tão solidárias com você como possa parecer à primeira vista. Tome cuidado com isso.

      Quanto à questão em si, sua mulher pode estar errando de duas formas. Primeiro porque quebrar a confiança da intimidade do casal é profundamente errado.

      Outro possível erro seria a difamação, caso ela veicule coisas mentirosas sobre você. Esse é pecado sério, pois contraria diretamente os Dez Mandamentos, no que tange a não falar falso testemunho.

      Agora acho surpreendente sua esposa ter medo das consequencias espirituais do divórcio e não ter medo de violar o mandamento do falso testemunho, ou de quebrar sua confiança. Isso indica uma certa confusão teológica. Talvez, um esclarecimento por parte de alguém que ela respeite, faça ela ver que está seguindo por caminho errado.

      Agora, o fato de que sua mulher fique falando para suas amigas também, em si mesmo, talvez indique outro problema. Normalmente as mulheres tendem mesmo a falar mais abertamente das suas questões do que os homens.

      Agora, se há exagero, ou seja algo que vai além do que é razoável, pode ser sinal de solidão - ela quer falar, precisa falar e acha que você não vai ouvir (o que pode ser ou não verdadeiro). Aí recorre a quem se dispõe a ouvir.

      Repare que não estou justificando o que ela faz, apenas tentando entender o que acontece.

      Concluindo tudo que já disse, penso que há sim erros sérios. Mas talvez haja espaço para corrigir esses porblemas, pois divórcio é algo que somente deve ser pensado em última instãncia. Será que uma terapida de casal não geraria esse espaço de diálogo? Ou talvez um pastor de mútua confiança?

      De qualquer forma, peça a Deus discernimento e forças para enfrentar e saber lidar bem com essa adversidade. Pode ter certeza que a resposta sempre está na açõa do Espírito Santo. De qualquer forma, pode contar comigo, dentro daquilo que puder ajudar.

      Um abraço

      Excluir
  13. 1º As pessoas, do nosso convívio, ouvem o relato dela, ou seja, os ataques dela a mim, dizendo que sou péssimo pai por exigir tanto do filho, sou péssimo marido por não leva-la para passear, outro dia tive uma discussão no trânsito com outro condutor em que me arrependi amargamente e ela assim que teve a oportunidade foi dizer para todos o que eu tinha feito, me desrespeita como marido com se ajunta com as amigas para jantares, karaokê´s…., teve um caso que até onde sei foi só por telefone com um obreiro da Igreja o qual mais tarde foi excluído pelo mesmo erro porém com outra esposa, mas até onde sei com a minha ficou só nos telefonemas, preferi ignorar isso, sou provocado em algumas festas pelo fato dela lembrar com as amigas dos cantores e amores passados, ao ponto de lamentar estar comigo, mas enfim, e o mais terrível de tudo, o que me dá até vergonha de dizer, é que ela é professora de crianças em nossa igreja evangélica. É duro meu amigo, mas não tenho porque menti naquilo que estou lhe dizendo, só quero saber se tenho a permissão do Senhor para deixar esse compromisso que sei que foi ele que me deu. A dois dias olhei para ela e disse que ela não ia impedir a minha comunhão e a minha bênção na Igreja e ela olhou e disse, eu??? E eu disse, você não, mas o que está dentro de você…Ela deu um sorriso que até assustou…..Eu sei com quem estou lhe dando e não aceito perder pois meu Deus venceu tudo….Amo, tenho um filho de 7 anos que sinceramente, cada centímetro do meu corpo suspira quando o vê, sou completamente apaixonado pelo meu pequeno e o preço irá ser muito alto e explico porquê, depois do possível divórcio vamos ficar separados por um atlântico, são 9000 km de distância, possivelmente o verei só por fotos….Tenho derramados constante lágrimas quando penso nisso, mas estou abrindo mão de tudo só por uma coisa. Ter uma nova família na presença do Senhor e cercar ela com os valores celestiais por todos os lados, pois em algum momento do meu casamento eu falhei e a minha esposa se tornou na minha maior inimiga. Portanto não há leva e trás no meu casamento pelo fato de eu ser uma pessoa extremamente resguardada. Nada sai do meu casamento e vai pra rua e nada sai da rua e vai para o meu casamento. As vezes parece uma situação fácil para resolver mas quando se vive vê o quanto é difícil pois só um lado se arrepende e o outro insiste em viver magoando e aí se torna insuportável, e não há casamento, não há amizade, não há comunhão para crescer como servo….é muito difícil….O caso dela é mesmo difamação, ela chega a inventar histórias para buscar a razão para si e ela consegue, sai da revelação, da luz que é Jesus e fica na razão humana baseada em mentiras. Meu diagnóstico é dois. O 1º. Doença espiritual. Ela trata com crianças do Senhor e o adversário aproveitou uma brecha, que a língua dela, para destruir tudo que é bênção na sua vida….Outra é talvez a distância da família, na qual era muito ligada e falava mal de tudo e de todos durante horas em reuniões que me dá até nojo de lembrar….E eu quando vim, apesar de ter uma família que ficou no Brasil, maravilhosa, assumi que tudo aquilo que amava estava diante de mim, a obra do Senhor, esposa e filho e nisso podia me descansar e me gloriar…..sem perder os laços familiares com irmãos e mãe a qual tenho todo respeito.
    Enfim o esclarecimento que quero é. Se tudo o que digo nessas palavras são verdade, tenho o respaldo do Senhor para quebrar a aliança que fiz com minha esposa? Obrigado amigo, pois você se tornou meu único confidente nesse drama e me tem feito bem….Tenho tido paz….no meio da angústia…..Obrigado pela paciência e Deus te abençoe amado…
    W.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro W

      Supondo que tudo aquilo que você diz seja verdade, somente a infidelidade dela já seria motivo suficiente para a separação, aos olhos da Bíblia. Não é necessário o relacionamento físico em si, basta o desejo no coração, conforme Jesus nos alertou (Mateus capítulo 5, versículos 27 e 38). É claro que você apresenta ainda outras razões que poderiam ser consideradas, mas acho que a infidelidade é determinante.

      Agora, você mesmo levantou a preocupação do impacto disso sobre seu filho, pessoa inocente, que vai pagar um alto preço. Sendo assim e pesando tudo, recomendo que você faça um jejum de um dia - serve para que você entre mais em contato com Deus - e leve essa questão em oração para Ele. E deixe o Espírito Santo aconselhar e dar a palavra final sobre o que você deve fazer.

      Um abraço e que Deus te abençõe

      Excluir
  14. Assim o farei...Jejum...Os dias que virão contarão as experiências...Obrigado por tudo....
    W.

    ResponderExcluir
  15. Vinicus me desculpa, mas não posso concordar com voce.Em primeiro lugar,como um mesmo ato pode ser pecado em alguns casos e em outros não?Ora,a bibilia diz "o que Deus uniu, não separe o homem".Sabe qual é o problema?é que em nossos dias as pessoas não andam mais pela fé,na hora de se relacionar com uma pessoa ninguem mais pede a direção de Deus, ou seja,todos agem pelos seus proprios olhos!o lema é "é aquele/aquela que eu quero e ponto final"!O segundo problema é que as pessoas não acreditam mais no Deus do impossivel!pelo menos dentro do seu casamento.Se voce perguntar a qualquer crente se ele crê que Deus abriu o mar vermelho ele vai dizer que cre,ou seja, será que é mais facil Deus abrir o mar vermelho ou ressuscitar mortos do que milagrosamente restaurar um casamento fracassado?Jesus não disse que devemos amar a Deus sobre todas as coisas?Será que em nome desse amor não devemos esperar um milagre dentro do nosso casamento?o amor a Deus e a sua vontade não deve estar acima dos nossos proprios enteresses?voce disse que o divorcio é permitido em casos de pecado de um dos conjuges,mas ainda que fosse o caso, o que acontece é que as pessoas estão se divorciando até porque um é "flamenguista" e outro é "vascaino"!quer a gente queira ou não,Deus não criou o homem para se divorciar.E o perdão como é que fica?devemos perdoar em alguns casos e outros não?como é que é isso?sabe,nós estamos vivendo em uma época em que nós condenamos os gays, as prostitutas, os adulteros,etc,pra eles nós mostramos versiculos de condenação, mas quando é pra fazer um auto exame das nossas proprias vidas,nós sempre damos um jeito de suavizar as coisas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não precisa pedir desculpas, pois discordar é parte do processo de discussão e eu não sou "dono da verdade".

      Mas acho que é muito fácil mostrar que um mesmo ato pode ser pecaminoso numa situação e não na outra. Por exemplo, matar é pecado, mas se isso for feito em defesa de um inocente, não mais sera considerado assim. As circunstâncias sempre tem impacto se o fato é ou não aceito por Deus.

      Há uma passagem bíblica em que Jesus fala exatamente sobre isso. Ele cita que Davi e seus homens, famintos, entraram no Tabernáculo e comeram os 12 pães da "proposição", que ficavam ali em intenção das tribos de Israel. Isso seria um grave pecado e um desrespeito a Deus em situação normal, mas como Davi estava com fome, tal fato foi levado em conta.

      Em segundo lugar, a quem Deus uniu? Como isso é caracterizado? Talvez na sua mente esteja a ideia de que um casamento feito na igreja significa que Deus uniu. Mas onde isso está dito na Bíblia? Quem garante tal coisa?

      Pense num casamento onde uma das pessoas não tem qualquer religião e simplesmente casa porque o parceiro e/ou a família assim querem. E isso é muito comum. Tal casamento mesmo feito na igreja foi unido por Deus, quando uma das partes claramente nada quer ter com Ele? Duvido muito.

      Eu não defendi o fim do casamento por qualquer coisa. Isso não consta no meu texto e não é como eu penso. Concordo que o casamento precisa ser preservado e eu mesmo trabalho com pessoas da minha igreja neste sentido.

      Mas, por outro lado, acho que sua análise parte de um conceito errado do perdão. Perdoar é não querer tomar vingança, não mais cobrar do outro o mal que foi feito. Mas não quer dizer que, se eu perdoei quem me agrediu, eu tenho obrigação de me expor ao mesmo risco de novo. Eu posso e devo perdoar e ao mesmo tempo posso e devo me resguardar.

      E esse é o caso das mulheres que são agredidas pelo maridos. Elas podem e devem perdoar, mas também podem e devem se afastar deles. Ficar casado com uma pessoa que é abusiva não pode ser o plano de Deus para uma filha sua.

      Eu também acredito no Deus do impossível, mas isso não quer dizer que eu não tenha que fazer a minha parte. Se eu ficar doente, vou pedir a Deus que me cure, mas não vou deixar de ir ao médico e tomar as remedios que ele recomendar.Afinal, não sabemos como Deus vai agir e Ele pode escolher agir através dos medicos.

      Portanto, a mulher abusada precisa tomar suas precauções para evitar o repetimento do fato. E o conceito de que a mulher deve perdoar e ficar casada não importa o que venha a sofrer, tem dado margem a muitos abusos no meio evangélico.

      Excluir
    2. A questão de Deus ter poder ou não de restaurar um casamento, é completamente diferente diferente de fazer o mar se abrir ou ressucitar os mortos. Pois a restauração de um casamento, assim como o perdão, são coisas que não dependem do poder de Deus, mas dependem do coração do homem. Deus pode usar seu poder para mudar situações, mas existe o livre arbitrio. O que quero dizer é que, abrir o mar vermelho: Toca com o cajado no mar! Para ressucitar um morto ou curar enfermidade: Levanta e anda. Mas no tocante as questões do coração( emocionais) são muito mais complexas. Não existe jejum, palavra de autoridade, cajado ou poder, que subtraia o livre arbitrio de alguem, pois assim Deus determinou.

      E temos na bíblia diversas passagens que justificam o contexto de algo ser pecado para um e não ser para outro, pois o próprio pecado é relativo; O próprio conceito de "pecado" sugere que o mesmo é relativo:
      "Pecado é tudo aquilo que separa o homem de Deus".

      Excluir
    3. Patrick

      Muito boa a sua reflexão. É exatamente isso que acontece.

      Abs
      Vinicius

      Excluir
  16. ola! casei aos 17 anos , tenho 2 filhos, mas ao longo de 10 anos de casamento eu sofri mto principalmente com palavras que ouvi do meu esposo, por ser impaciente e ignorante, foram mais lagrimas que risos durante esses anos , mas de ouvir as pessoas condenarem os divorciados eu ainda continuo nessa vida , tem dias que ate sinto medo de ficar depressiva pq nao suporto mais essa situação , ja tentei varias vezes concertar as coisas mas nao encontro mais em mim algum sentimento por ele, nao sei se por causa de td que ja passei e ouvi. acabei nestes ultimos meses conhecendo uma pessoa mto especial , a qual ainda nao tive nehum contato fisico, alguem que estar disposto a ficar comigo mas tenho medo pq minha familia me diz que se me divorciar e ficar com outra pessoa estarei jogando fora minha salvação. Sei que tenho q tomar uma decisao e sei o que quero fazer mas sinto medo pelo que ouço. O que vc me diz?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ninguém perde salvação por se divorciar. As pessoas que afirma isso consideram o divórcio pecado, o que pode ou não ser verdade, dependendo das circunstãncias.

      Mas o erro desse conceito não está em considerer o divórcio pecado e sim em entender que quem peca vai para o inferno. Isso porque, conforme nos disse o apóstolo Paulo, todos pecam - salvos e não salvos. Se fosse exigido de nós não pecar para entrar no céu, o céu estaria vazio. Simples assim.

      A diferença entre o cristão e o naõ cistão e na forma como o primeiro lida com o pecado: ele o incomoda, a concsciência pesa, a pessoa se arrepende, luta para melhorar, etc. O não salvo segue em frente como se nada tivesse acontecido.

      Portanto, nunca aceite que ninguém - familiar, pastor, ou qualquer outra pessoa - discuta com você sua salvação. Ninguém tem esse direito e muito menos o conhecimento para saber se isso vai ou não acontecer. Trata-se de assunto que somente cabe a Deus.

      Você é infeliz, isso parece fato. Mas pelo que você escreveu eu não consigo estabelecer se há respaldo na Bíblia para que você dê o passo de se separar.

      Por outro lado, como apareceu alguém na sua vida, para quem você vem dirigindo seu afeto e em quem você começou a depositar esperanças de um futuro, você está correndo sério risco de adultério. Jesus nos disse que o adultério não é somente aquele que é consumado com uma relação física. O desejo do curacao, mesmo sem consumação física, já é o bastante.Portanto, muito cuidado.

      Digo isso porque penso que não dá para continuar com um "pé em cada barco", hesitando sobre o que fazer. Esse é o pior dos mundos.

      Assim, você deveria pensar, em primeiro lugar, em ver se é possível uma reconcilição real com seu marido - talvez uma terapia de casais, oração juntos, jejum juntos, etc. Tente isso com seriedade. Agora, naturalmente depende da vontade do seu marido também. Essa deveria ser sua primira prioridade.

      Se, por algum motivo, tal caminho não se mostrar viável, o melhor é você enfrentar a realidade de um casamento fracassado, do que ficar na condição em que você está.

      Excluir
  17. oraçaõ, jejum, eu fiz bastante ja , hoje meu maior problema é nao sentir por ele um sentimento de esposa. como vou conviver com uma pessoa que nao amo? sou obrigada a isto? O amor é um sentimento que deve ser cuidado, e isso ele nao fez , pelo contrario cada dia destruia em mim o que eu sentia por ele.Eu dei o melhor de mim pra que tudo desse certo, posso ate dizer que perdi a saúde me doando por isso e hoje eu nao kero mais, E, hoje embora ele sendo uma boa pessoa eu nao consigo olha-lo como alguem que amo de verdade, Talvez eu conseguiria viver uma eternidade com ele,mesmo nao sendo feliz, como um amigo , um irmao, em casa, mas como esposo nao consigo.
    Me sinto mesmo em cima do muro, sei para que lado quero pular, e sei que la serei mais feliz do que onde tenho estado, minha unica e maior preocupação é mesmo se tal decisao interfere na salvação .eu kero uma chance pra recomeçar minha vida de outra forma, nao sei me entende pq é dificil expressar o que sinto .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Entendo seu problema e aquilo que seu coração deseja. Agora, o desejo do coração humano é uma coisa e outra coisa, muitas vezes bem diferente, é aquilo que Deus espera de nós.

      Você está, na verdade, colocando a questão da seguinte forma: quero me separar, se isso não levar à perda da minha salvação. E esse é uma garabtia que ninguém pode, nem deve, dar a você. Essa é uma questão sua com Deus. É d´Ele que você precisa obter essa certeza. E o que posso aqui é ajudar você a entender como deve proceder para conseguir isso.

      A é orar muito, pedidno a Deus que dê a você o necessário discernimento. Depois faça um jejum com esse propósito. Durante essa fase faça algumas perguntas sérias para você mesma, para as quais você terá que dar respostas absolutamente sinceras - lembre-se que Deus conhece seu interior. A seguir alguns exemplos.

      Será que você fez pelo seu casamento tudo que poderia ter feito? Será que você realmente tratou seu marido da forma como gostaria que ele tivesse tratado você e não o fez? Será que o casamento não passou a incomodar ainda mais a você depois que outra pessoa apareceu na sua frente? E assim por diante. Há muitas questões assim que precisam ser esclarecidas.

      Depois de responder a essas perguntas, você começará a chegar a uma conclusão. Posso garantir a você que, se você chegar à conclusão certa, você alcançará paz de espírito, senão o Espírito Santo ficará lhe incomodando. E só tome a decisão final quando tiver absoluta certeza no seu coração, coisa que claramente você não tem hoje.

      Excluir
  18. ja me fiz essas perguntas , ja fiz campanhas de oração e jejum em pró disso e ontem veio uma decisao forte no meu coração, e ja comecei a agir por isso. A unica certeza que tenho é q nao posso continuar assim.
    Obrigada pelas suas palavras!

    ResponderExcluir
  19. Prezado Vinícius Moura, estou vivendo momentos difíceis no meu casamento. Apesar de conhecer o evangelho, me casei com uma pessoa que não era evangélica, numa igreja católica. O casamento ficou muito desgastado ao longo do tempo pela questão do ciúme em excesso. Estamos casados há mais de 20 anos, temos uma filha de 19a e está difícil de continuar casado. Ela acha que não tem nada a mudar. Me vigia em tudo que faço (na internet, no celular e outros). Me sinto pressionado em ter que ficar casado, pois o meu amor por ela está bem no finalzinho. Enfim, acho que fiz tudo errado desde o início e agora estou pagando o preço de estar com uma pessoa que não sinto quase nada por ela e o que ela sente por mim é simplesmente "ciúmes". Algumas pessoas muito ciumentas acabam maltratando as pessoas e ferindo-as e isso meio que foi minando a relação que hoje já se encontra insustentável. Vivemos um caos e não conseguimos entrar em um acordo. Parecemos dois inimigos. Acho que a separação será a melhor coisa no meu caso. O que você acha? Osvaldo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro

      Nunca é fácil responder uma consulta desse tipo e por duas razões. Porque as informações são necessariamente limitadas a um curto texto de apresentação que você fez e não há como ser muito diferente. Depois porque eu só conheço o seu lado da história e sempre há o lado da sua mulher a ser considerado. E, pela minha experiência, um casamento nunca fracassa apenas pela culpa de uma pessoa - de forma justa, você meio reconhece isso no seu texto.

      Sendo assim, é difícil dar um conselho que seja responsável. O que posso fazer aqui é frisar os pontos que precisam ser vistos com cuidado no processo de tomada de decisão.

      Um casamento é um "contrato" entre duas partes. Nada de positivo poderá advir se os problemas forem tratados de forma separada. É preciso recuperar alguma forma de diálogo entre vocês, de poder trabalhar em conjunto, ou não será possível encontrar uma solução aceitável - mesmo a separação exigirá um trabalho conjunto para evitar um litígio terrível. É preciso achar alguma forma de reconstruir isso.

      Depois é preciso que os dois lados reconheçam que têm sua parte de culpa no fracasso que está diante de vocês. Enquanto isso não for entendido, as conversas vão ser sempre um processo de acusações mútuas.

      Estou um pouco em dúvida da razão porque sua mulher assumiu esse papel tão desconfiado em relação a você. Serrá que você deu algum motivo para isso ou ela tem um problema de estrutura emocional que a faz se sentir muito insegura? Talvez seja um pouco de cada. É preciso discutir isso.

      Adicionalmente, é preciso lembrar que casamento não é apenas uma questão de amor. Essa visão que privilegia o amor é algo que nossa sociedade assumiu nos últimos cem anos, mas nunca foi necessária no passado. Antes os casamentos eram arranjados e nem por isso as pessoas eram mais infelizes do que hoje.

      A questão principal é a vontade de estar casado. A vontade de enfrentar e superar os problemas. Se há essa vontade de parte a parte, é possível achar uma solução. Se ela não mais existir numa das partes ou nas duas, não haverá como mudar a situação, É isso que você precisa se perguntar e perguntar a ela.

      Sugiro que antes de você embarcar num processo de decisãosobre o assunto, ore muito e peça orientação ao Espírito santo. Peça que Ele lhe inspire a fazer o melhor, não apenas para você, mas para os dois. Afinal, ela é sua mulher há muitos anos e mãe de sua filha. Nunca se esqueça disso.

      Espero ter ajudado.

      Excluir
  20. Prezado Vinícius Mora, as informações e sugestões apresentadas foram de grande valia para mim. Vou colocá-las em ação! Obrigado pela atenção! Um grande abraço, Osvaldo.

    ResponderExcluir
  21. Boa noite Vinicius, gostei muito do seu blog, qero te contar minha historia...
    Em primeiro lugar, meu marido eh um homem maravilhoso, so tenho coisas boas pra falar dele, respeito muito ele, adimiro ele mas nao o amo, casei por caprixo meu, por nao querer viver mais em pecado, casei sabendo que nao o amava, casei porq sempre quis ter um esposo, uma casa, uma familia, casei com 20 anos e nao tem nem ano que casei, com o passar dos meses percebi o erro q cometi e todos os dias choro por ter feito o que fiz, ele nao merece isso, ele me ama e eu nao o amo, me arrependo disso e peco perdao todos os dias, sofro muito com tudo isso, sei q o erro é meu, reconheco isso, sei q tem pouco tempo que casei e vc vai me dizer p tentar, estou tentando e o pior de tudo eh q estou amando outra pessoa... sei tambm q eh pecado gravissimo, pois estou cometendo adulterio e nao qero isso pra minha vida, tenho muito medo de perder minha salvacao, mas so de ta amando alguem q nao seja o meu esposo ja estou pecando...
    Me ajude por favor, sofro todos os dias com esse dilema, oro muito a Deus pedindo perdao, choro e nao aguento mais, qero ser feliz e quero q ele tambm seja feliz, mas sei que ao meu lado ele nao sera, ja vi os seus comentarios em ralacao a outros casos e qeria saber sua opiniao sobre o meu, obg!

    ResponderExcluir
  22. Boa tarde Vinicius, obrigado pelo blog, tenho sentido que este assunto traz muitos problemas, principalmente em minha cultura(Africana). eu sou casada a 6 anos, infelizmente a gente quando pensa que ama não vê as sementes que semeia e principalmente nunca vê erro em nada. Desde pequena que sou evangelica (com alguns tropeços,mas no fim sempre voltando a casa do meu Pai), casei com católico a 100%, infelizmente desde o pricipio que o meu esposo sempre adulterou, sem o minimo respeito pela familia, nestes 6 anos foram muitas brigas, sepações/reconciliações, ele so gosta de balada,mulheres (teve inclusive um filho de uma relação extra conjugal) enfim, tudo complicado (para os angolanos esse tipo de comportamento é o ideal para os homens), nós temos 3 filhos. a um ano atrás estava eu gravida do meu terceiro filho e decidi que ja não aguentava mais e pûs ele para fora de casa. hoje em dia é so Deus , so Ele manda na minha vida, mas gostaria de saber se eu ao pedir divorcio estaria pecar? Tambem nesta minha jornada, descobri que que esta minha relação pode ser uma porta aberta e que tenho mesmo que fecha-la para não estragar a minha comunhão com Deus. Preciso de um conselho, porque amo muito o meu esposo, mas tambem sei que nem todos os casamentos foi Deus que uniu e em alguns casos Ele não salva, mas que Ele tambem não é um Deus de separação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Do ponto de vista bíblico, adultério é um dos critérios para separação. Portanto, você está totalmente justificada em querer se manter separada. Por outro lado, a Bíblia também fala em perdão.

      A questão é então: para qual lado a balança deve pesar? Muitas coisas vão influenciar essa decisão: sentimentos (você diz que o ama), a existência de filhos, a vontade de manter seu lar, isto por um lado; mas do outro há a perda da confiança nele, as mágoas e assim por diante. Minha sugestão para você é que coloque essa decisão diante de Deus. ore muito, jejue e peça para Ele orientar o que você deve fazer.

      Mas como saber o que Deus orientou? A resposta é simples: você terá paz no seu coracao com a escolha que tiver feito, pode ter certeza disso.

      Espero ter ajudado.

      Vinicius

      Excluir
  23. Eles responderam: "Moisés permitiu escrever carta de divórcio e despedir a mulher."
    Continuou Jesus: "Foi devido à dureza do vosso coração que ele vos deu essa lei;
    mas, no princípio da criação, Deus os fez homem e mulher.
    Por isso, deixará o homem pai e mãe e se unirá à sua mulher;
    e OS OS DOIS SERÃO UMA SÓ CARNE. Assim, já não são dois, mas uma só carne.
    NÃO SEPARE, POIS, O HOMEM O QUE DEUS UNIU."

    (Marcos 10:4-9) ... CAI POR TERRA O QUE DEUS UNIU O HOMEM NÃO SEPARA E TAMBÉM AMBOS SERÃO UMA SÓ CARNE...COMO VOCÊ EXPLICA ISSO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você ler meu texto com cuidado, acho que vai ver sua pergunta está respondida ali: o contexto em que Jesus fez sua declaração a respeito do divórcio, as causas que tornam o divórcio permitido, etc.

      Finalmente, gostaria de reforçar que a frase "o que Deus uniu, não o separe o homem", leva imediatamente à pergunta: quem Deus uniu? Aqueles que se casaram na igreja? Mas onde está isto afirmado na Bíblia?

      Um casal, no qual um deles particpa do casamento na igreja apenas para cumprir uma obrigação social, como acontece na maioria dos casamentos, pode ser considerado como uma união feita por Deus?

      Vinicius

      Excluir
    2. Concernente ao contexto de, saber se foi Deus que uniu ou não, podemos usar alguns critérios apresentados na Bíblia para refletir sobre a questão do: " Foi Deus quem uniu ou não":
      Mateus 7:20-"Assim, pelos seus frutos vocês os reconhecerão!"
      Proverbios 10:22- “A bênção do Senhor é que enriquece; e não acrescenta dores.”

      Mas é claro que também existe o livre arbitrio, pois até um casal unido por Deus, pode acabar se não houver vigilancia e oração.

      Obs.: com estes versículos não estou dizendo que, em um casamento unido por Deus, não existirão crises, mas existe uma diferença entre TER crises e VIVER em crise.

      Excluir
  24. A palavra de Deus diz que enquanto o marido ou a esposa estiver vivo,não pode casar não, por que se casar estará cometendo adultério....

    A mulher casada está ligada pela lei todo o tempo que o seu marido vive; mas, se falecer o seu marido fica livre para casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor.
    Será, porém, mais bem-aventurada se ficar assim, segundo o meu parecer, e também eu cuido que tenho o Espírito de Deus.

    1 Coríntios 7:39-40

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você tomar o texto ao pé da letra, a obrigação somente se aplica à mulher e o homem poderia casar de novo sem problemas. Aí você poderia dizer que, usando o espírito do texto, a mesma restrição se aplica também aos homens e eles também não podem casar de novo. Mas isso já uma interpretação do texto e não mais o que nele está escrito diretamente.

      Então você fica com duas alternativas, com base nesse texto. Se tomar literalmente o que está nele escrito, as mulheres têm uma restrição que não se aplica aos homens, o que me parece um absurdo. A outra possibilidade é interpretar o espírito do texto e aí existem diferentes possíveis conclusões, dentre as quais aquela que defendo.

      Vinicius

      Excluir
  25. Olá Vinicius, tenho uma duvida qto ao meu casamento.sou casada a 6 anos e tenho uma filha de um ano com meu esposo.quando o conheci ele era casado e tava passando por crise no casamento, ele tava na igreja, mas afastado ao mesmo tempo, por várias vezes tentamos terminar, mas não conseguíamos, então a esposa soube e ele pediu perdão e ela não aceitou e acabaram se separando.sendo q ela o traía tbm, mas ele não sabia, só depois q se separou e ela tbm era e é da igreja e hj tbm se casou c outra pessoa.então eles se separaram legalmente e ele se casou comigo depois de 2 anos, sendo q na época eu não era convertida ainda só depois me converti e ele voltou p igreja, foi disciplinado e ta firme hj, mas com o tempo eu fui aprendendo mais sobre a palavra de Deus e qd chegou nessa questão sobre adultério, divorcio e segundo casamento, me veio a duvida se eu ainda estou no pecado junto c ele, pois eu fui a pessoa q fez ele adulterar e hj ele é o meu esposo.já pedi muito perdão do Senhor e sempre pergunto de Deus se eu estou em pecado e se eu tivesse mais entendimento no começo eu não teria me casado c ele, mesmo o amando, pois preferia fazer a vontade de Deus e não a minha.mas e agora q tenho uma filha c ele, tive dois abortos espontâneos e sempre achava q era consequencia por causa do meu pecado, então orei muito ao Senhor pedindo uma filha e Ele me deu.ele tem 2 filhos do primeiro casamento e nos damos bem e ele e a ex se perdoaram depois e não temos nenhuma desavença.qual a sua opinião eu estou em adultério junto c ele? Eu me arrependi mt e até hj me arrependo se estou desagradando a Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua história pode ser resumida ao seguinte: você e seu marido cometeram um pecado e esse pecado gerou o fim do casamento anterior do seu marido - parece ser que a ex-mulher dele também pecou, pelo lado dela. E a união que seu marido tinha foi destruída por conta do que aconteceu e não pode mais ser reconstruída, porque a ex-esposa do seu marido se casou de novo.

      Não faz sentido falar em adultério continuado, num caso como esse, pois a ex-esposa do seu marido já casou com outro homem. Isso não tem lógica num caso como esse.

      O problema não é esse e sim que houve pecado. Logo é preciso haver arrependimento, para que Deus possa perdoar. E se Deus perdoar, o assunto ficou resolvido.

      Agora, as consequências do pecado - no caso, um lar desfeito - essas podem ter desdobramentos que o perdão de Deus não elimina. Vou dar um exemplo: imagine um assassino que seja pedoado por Deus. O perdão pode vir, mas a pessoa que ele matou, a família que ele destruiu, ou seja esses efeitos do pecado anteioro não desaparecem. Portanto, se existiram filhos do primeiro matrimônio do seu marido - não sei se esse é o caso -, eles podem ter passado por sofrimento que não vai ser apagado, mesmo após o perdão de Deus.

      Portanto, se você tem certeza do perdão de Deus, fique com seu curacao em paz. Se não, busque esse perdão até consegui-lo.

      Espero ter esclarecido.

      Vinicius

      Excluir
  26. Eu creio no perdão de Deus, mas eu O temo muito.por muitas vezes chorei arrependida, e mesmo depois de casada, achava q deveria me separar e viver só para não ter o perigo de está pecando.talvez o problema era eu não aceitar o perdão de Deus, me achando culpada por ser o motivo da separação dele, mesmo no tempo da minha ignorância, pois eu não tinha Jesus na minha vida.e as vezes temo pelo meu esposo, pois ele conhecia a verdade, tinha Jesus e desobedeceu.será q ele pode ser o mais culpado do que eu, por conhecer a palavra? Só o que quero é ser fiel em tudo ao Senhor Jesus, pois creio q Ele está voltando e eu quero subir c Ele p a Glória.amo mt a Jesus, e O temo tbm.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo que depreendo do seu relato, seu marido provavelmente não era convertido de fato, simplesmente frequentava uma igreja. Afinal, o fato de frequentar uma igreja não faz de ninguém um convertido - conheço muitas pessoas nessa situação. Convertido verdadeiro é aquele que conhece Jesus e muda sua vida. Simples assim.

      Agora, o perdão de Deus cobre toda é qualquer pecado, tanto para o convertido como para não o convertido. Não é verdade que o pecado cometido por um convertido seja mais sério do que o mesmo pecado cometido por quem não aceitou Jesus. Se fosse assim, Pedro, que negou Jesus tres vezes, depois de andar por três anos com Ele, nunca teria sido perdoado.

      O que acontece, na verdade, é que quem é convertido vê como pecado coisas que os não convertidos não reconhecem como problema - por exemplo, usar o nome de Deus em vão.

      Mas seu depoismento me dá uma sensação que, bem lá no fundo, você acha que não foi perdoada. Digo isso por quem se sabe perdoado tem paz de espírito e não me parece ser esse seu caso.

      Quando Deus perdoa, Ele o faz por completo. E o que ficou para trás, no passado está, coberto pelo sangue de Jesus Cristo. É assim mesmo que funciona. Pode acreditar.

      Excluir
    2. As vezes falta a pessoa se perdoar pelos erros cometidos, e essa sensação dá a impressão que Deus não nos perdoou, quando na verdade Ele já até jogou no mar do esquecimento.

      Excluir
  27. Boa Noite Vinícius, estou precisando muito de um conselho e lhe imploro uma orientação: Sou casada a nove anos tenho 2 filhos, meu marido sempre foi um marido maravilhoso em todos os sentidos, nos dávamos muito bem, estamos juntos num total de 20 anos entre namoro e casamento. Acontece q em meados de 2012 eu e ele estávamos atravessando uma crise normal, uma fase de brigas e eu estava tbém com um irmão querido muito doente, o qual eu estava cuidando dele e com isso acabei ne afastando mais dele, até q esse meu irmão depois de muito sofrimento veio a falecer, fato que me deixou extremamente arrasada, porém ele num me compreendeu esse meu momento de dor, de luto e acabou tendo um caso extraconjugal com uma vizinha minha, uma pessoa q frequentava minha casa, depois de um certo tempo ele se diz arrependido e me revela a traição, diz q se arrependeu muito e q num quer se separar. Eu me propus a perdoá-lo ou pelo menos a tentar perdoar em nome do amor q eu tinha por ele, e, nome das crianças, dos nossos pais tbém q são muito conservadores e tentei. No início eu achei q ia ser possível, pois fazia de tudo pra agradá-lo de medo de perde-lo . Mais com o tempo as coisas foram ficando muito difíceis, a mágoa cresceu demais, a confiança acabou totalmente e hoje está impossível nossa convivência juntos como marido e mulher, ele continua se dizendo arrependido, diz não querer se divorciar, enfim... Mais eu não to aguentando mais essa situação. num consigo deixar ele se aproximar de mim, mal nos falamos esse sofrimento já tem se alastrado por um ano. To muito infeliz, sei q jamais confiarei nele novamente, a mágoa é grande demais por ele me trair no pior momento de minha vida, no momento em q ele deveria estar ao meu lado, num consigo aceitar esse descaso dele comigo. Sinto q preciso me libertar dessa dor, desse sofrimento, me divorciando dele, tenho muito medo disso pois sou de uma família muito conservadora e religiosa e mesmo eles me apoiando em qualquer decisão minha eu num tenho forças pra concretizar o divórcio. E sinto q estando separados será mais fácil de eu liberar o perdão a ele, pois juntos acho q será impossível pois me dá uma impressão ruin q não consigo descrever o fato de perdoar e continuar juntos, acho q nunca mais serei feliz com ele. Preciso muito de uma orientação, pois to muito perdida, muito confusa e num sei que caminho devo seguir. Ando muito angustiada com essa dúvida, me ajude por favor com uma orientação...Desde já agradeço...Um Abraço...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adultério é uma das causas para divórcio. Portanto, do ponto de vista espiritual, você está coberta se decider por esse caminho.

      Agora, o seu relato demonstra que você tem dificuldade de entender a questão do perdão. Você está fazendo uma confusão entre perdoar e readquirir a confiança perdida no seu marido. E essas são coisas bem diferentes.

      Eu tenho vários textos sobre o perdão neste blog e talvez valha a pena você ler algum deles. Você pode sim perdoar e não querer ficar casada. Não condicione uma coisa à outra. Você deve trabalhar na direção do perdão, pois isso é um mandamento de Deus.

      A condição para que seu casamento seja mantido envolve, conforme já comentei, reestabelecer a confiança, mas também haver sentimento de companheirismo, amor, etc. E parece-me que nada disso está mais presente e as causas provavelmente vão muito além da traição em si.

      Até porque, quando a traição ocorre normalmente já havia algum tipo de crise conjugal instalada. Desgastes normais de uma relação longa.

      Resumindo, você está livre para se separar, caso deseje. Não estou dizendo que deva fazer isso, pois não tenho dados suficientes para dar esse tipo de conselho, mas sim que você está liberada para dar esse passo.

      Segundo, você precisa trabalhar mais para perdoá-lo, independentemente se vai ou não continuar casada. E isso vai fazer bem principalmente para você mesma. Finalmente, você deve olhar para sua relação além da traição. Será que há como corrigir os problemas e resgatar o amor?

      Separação nunca é fácil. O sofrimento é grande para todos os envolvidos, especialemnte os filhos. Mas também continuar casada e profundamente infeliz não é uma boa solução.

      Não é uma decisão simples. Recomendo que você jejue por um periodo e aprofunde suas orações. Peça a Deus uma orientação segura. Quando essa orientação chegar, aí estará na hora de agir.

      Espero ter ajudado.

      Vinicius

      Excluir
    2. Realmente vc tem razão quando diz q preciso trabalhar mais o perdão. pois sempre tive muita dificuldade em perdoar mesmo no decorrer da minha vida. A mágoa q sinto nessse caso é incalculável, indescritível, pois a decepção foi muito grande pois jamais pensei passar por essa situação.
      Espero q Deus me ajude nessa caminhada, me dê forças pra continuar minha vida pois confesso q já pensei várias vezes até em acabar com minha vida, acabando assim com tanto sofrimento e vergonha.
      Apesar de vc dizer q estou livre pra me separar em caso de adultério do lado espiritual, eu não consigo optar definitivamente por isso e não sei porquê. Tenho a impressão q irei viver o resto da minha vida infeliz, mais sem me separar , entende, pois num consigo ter a atitude de me divorciar de vez, queria entender oque me impede de fazer isso. Pelo meu marido continuamos assim, convivendo nessa situação triste, pois ele num quer se separar , mais eu to perdida, confusa, num consigo nem rezar, nem pensar...
      Muito obrigada pelas suas palavras q me foram muito confortantes, estou lendo todos os textos do seu blog e são maravilhosos.... Obrigada mesmo e q Deus lhe abençoe grandemente.

      Excluir
    3. Não precisa agradecer. É um prazer poder ajudar um pouco. Já vivi uma cirse conjugal, embora por motivos diferentes e sei como dói. Como afeta a vida. Como magoa os filhos, que assistem tudo sem poder fazer qualquer coisa.

      Fico feliz que você tenha entendido a questão do perdão. Esse é um mandamento e perdoar seu marido não implica na obrigação de ficar casada. O perdão vai ajudar mais a você do que a ele.

      Entendo suas hesitações. Suas inseguranças quanto a tomar uma decisão. Não é fácil mesmo. E somente você pode saber o que sera melhor fazer. Essa decisão fica entre você e Deus.

      Mas discordo quando você diz que vai viver o resto da sua vida infeliz. Não é isso que Deus quer para você e tenho certeza que há muitas coisas boas esperando por você.

      O que está faltando é você se aproximar mais de Deus. Você disse que não consegue rezar e isso é comum no momento de sofrimento. Quando mais precisamos de Deus, é quando muitas vezes nos afastamos dele.

      Você precisa se esforçar para conseguir falar com Deus. Abrir seu coração para Ele. É claro que Deus já sabe tudo que há com você. Mas o ato de falar com Ele sobre suas angústias, enfim confiar sua vida a Ele, tem um efeito curativo surpreendente. Eu sei porque já vivi isso.

      Escolha uma hora do dia quando ninguém possa interromper você. E um lugar onde não haja distração (por exemplo, entre no seu quarto e traqnue a porta). E fale com Ele o que vier à sua cabeça. Não se preocupe com as palavras que usar. Ele vai aceitar você exatamente da forma com você é.

      E peça, durante a oração, ajuda para conseguir se aproximar mais dEle. Para se manter junto dEle apesar do sofrimento.

      E faça isso todos os dias. Sem perder um só. Como se você estivesse tomando um "remédio". Insista. Eu garanto que vai haver resultado. Seu estado emocional vai melhorar aos poucos. Confie em Deus.

      Vinicius

      Excluir
    4. Foi uma grande benção ter encontrado seu blog por acaso. Seguirei a risca seus conselhos e logo te mandarei notícias boas. Por hora, quero te agradecer por me ouvir. Já estou me sentindo bem melhor. Obrigada de coração.

      Excluir
  28. Boa tarde, sou casado ha 20 anos. Sempre desconfiei que minha esposa me traísse, mas não acreditava, ou achava que era algo de minha mente/imaginação. Uma certa manhã recebí uma ligação dizendo que ela me traía, e que era com ele (quem estava no telefone). Fiquei assustado, pálido. E continuei houvindo. Ele me falou para ficar observando.
    E foi o que fiz. Comecei a observá-la em tudo, como vestia, se passava perfume (eu tenho alergia a perfume, portanto, comigo ela não usa), e de vez em quando ela saía perfumada. Em todas as minhas observações eu acredito que ela me traía. Comentei com duas tias minhas, e elas me recomendaram o divorcio, sem me questionar. Não disseram que eu poderia estar enganado... parece que elas sabiam de algo, mas não me disse.
    Tenho andado deprimido, triste, afastei dos meus familiares Sou autônomo e tenho saído para trabalhar muito pouco, pois, tenho medo de sair e ela me trair.
    Uma vez comentei com ela que tinha recebido uma ligação em que falava que ela estava me traindo. Ela ficou brava "possessa", gritava numa altura para os vizinhos escutarem, chegou a pegar uma faca e ficar segurando com muita força. Eu estava calmo e dizia, "estou apenas perguntando, não estou afirmando, pois, me ligaram, é somente uma pergunta". Depois, de muito tempo ela se acalmou e fomos durmir. Depois de 3 dias ela me perguntou, "por que você não separa então?". Eu dizia "estou apenas perguntando, não estou afirmando e você não está respondendo." Ela não respondeu.
    Já faz 3 anos e não durmimos no mesmo quarto, de vez em quando eu a procuro e ela me procura. Conversamos somente o necessário, sobre a casa, os filhos (um de 19 e outro de 14 anos). Nossa casa precisa de reforma, mas não tenho animo para reformá-la, pois, penso em divorciar. Não faço nada, praticamente nada. Me sinto muito mau.
    Resumindo, minha vida parou no tempo em todos os sentidos. Tenho grande vontade de divorciar, mas me falta coragem e tenho medo de arrepender.
    Solicito uma ajuda, pois, estou afastado até da Igreja.
    Marido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro amigo

      O que posso dizer, com base no seu depoimento, é que infidelidade é razão para divórcio de acordo com a Bíblia. A parte ofendida pode pedir divórcio sem qualquer preocupação sobre pecado.

      Agora, uma coisa é ter direito de pedir divórcio e outra, bem diferente, é ter vontade de dar esse passo. Acho que esse é seu problema: você não consegue fazer uma escolha, tomar uma decisão.

      Você está no pior dos mundos: não tenta retomar seu casamento, pois sua mágoa é muito grande, nem se separa e tenta reconstruir sua vida, por conta das repercussões que isso vai ter. Fica no meio, sem escolher um caminho. E essa indefinição está causando enorme mal para você.

      É preciso escolher. Mas somente você pode decidir o que verdadeiramente quer e precisa. Acredito que alguma pessoa amiga, alguém em que você confie, possa ajudar você a pesnar e tomar essa decisão. Mas dê esse passo, faça a escolha, o mais rápido que puder.

      Espero ter ajudado.

      Vinicius

      Excluir
  29. Olá Caro colega...Venho aqui nesse espaço fazer o que grande maioria das pessoas vem buscar: Um conselho, uma solução, uma saída.
    Vou tentar resumir minha história:
    Sou casada há dois anos, e namorei 3 anos. Casei muito cedo, com 18 anos, e desde o primeiro dia que conheci essa pessoa eu sofri demais.
    Meu esposo sempre foi uma pessoa ríspida, ignorante, grosseira e me tratava muito mal. Brigavamos por qualquer motivo, e em todas as vezes eu ia atrás da reconciliação. Como tenho problemas de baixa imunidade, adquiri algumas denças depois que me casei, e meu esposo sempre soube disso. Uma dessas doenças que desenvolvi foi asma, e que sempre que brigávamos eu entrava em crise e passava mal. Meu esposo sempre soube que eu não podia ter estresse, um dia o médico mandou chamar ele e falar na cara dele que ele não podia me causar nenhum estresse por causa do meu problema que poderia agravar.

    Bom, o tempo foi passando e nesses cinco anos de namoro e casamento, sempre viviamos um inferno. As pessoas me aconselhavam, me mostravam que ele não era um homem certo pra casar apesar dele ser evangélico. Mas como eu morava com minha irmã e era muito humilhada por ela, então resolvi casar mesmo assim, para "fugir" da dor.
    Sei que eu não poderia er feito isso, mas eu estava no auge do meu desespero, e apesar dele me tratar mal e de ninguém gostar nele, eu o amava muito e acreditava que ele poderia mudar.

    Pois bem, não tenho como falar aqui tudo o que aconteceu, mas o que eu posso dizer é que sofri MUITOOO desde o dia que conheci esse homem. TODOS OS DIAS era uma briga, uma discursão... eu fui adecendo, entre idas e vindas em hospital, tomand remédios, e ele simpesmente nem ligava pra isso.

    Fiz diversos jejuns e orações, orei insessantemente, perdoei, conversei, pedi ajuda de amigos, pastores, comprei livros, comprei langeries, fiz tudo o que pude.

    E nada mudou.... Até que um dia, eu conheci uma pessoa por acaso em um ônibus que eu pegava todos os dias... Começamos a conversar pela internet, e ele me fazia muito bem... Me elogiava muito, me incentivava a buscar meus sonhos, me tratava com respeito.
    Até que o pior aconteceu. Eu trai meu esposo... Mas não houve relação sexual, apenas beijos e abraços... Eu confesso que me senti bem com aquela pessoa... meu coração estava tão dilacerado, tão angustiado que a única coisa que eu consegui fazer era abraçar aquela pessoa.

    Pastor... Resumindo, meu esposo descobriu tudo, mas ele está se fazendo de vítima pra todo mundo. Todos estão me apelidando de safada, adúltera, de sem vergonha e tal... E ele está igual uma seda, um ursinho de pelúcia, doce como um bombom. Mas sei que tudo não passa de uma farsa.
    Ele já prometeu várias mudança, já saí de casa umas trÊs vezes, ele me prometeu mudança, disse que eu ia parar de tomar remédios, e ele ia cuidar de mim, daí passa uma semana, ele volta a fazer tudo de novo.


    Vinícius, não quero mais voltar para meu esposo. Fiz uma escolha errada, desobedeci a Deus mas me arrependi amargamente. Não sinto mais nada por ele e tenho medo de piorar minha saúde por causa dele. Quero apenas VIVER SOZINHA, me divorciar e seguir minha vida.

    Mas ele disse que me aceita de volta, mas eu não quero mais pastor, sei que não serei mais feliz pela minha escolha errada, com uma pessoa que não amo mais.
    SERÁ QUE PERCO MINHA SALVAÇÃO? ESTOU ERRADA OU CERTA?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você errou sim de ter se envolvido com alguém, mesmo que de forma limitada. E o melhor é admitir esse erro e pedir perdão a Deus e ao ser marido, independentemente de qualquer outra coisa.

      Acredito que sua dúvida seja a seguinte: se você se separar dele e encontrar outra pessoa, estará cometendo adultério? E se estiver cometendo esse pecado, isso fará com que você perca sua salvação?

      Essa pergunta é feita com frequência aqui no blog porque há alguma confusão nos conceitos. Primeiro, conforme escrevi no texto acima (peço que você o releia com cuidado para entender bem o que está escrito) o divórcio não é necessáriamente um pecado - depende muito das circunstâncias. Converse com Deus a respeito, abra seu coração para Ele e o Espírito Santo vai dizer para você como Deus vê essa situação.

      Agora, apenas para fins do raciocínio, não que essa seja uma posição minha, vamos imaginar que, no seu caso, seja pecado. Sua salvação será perdida? A salvação vem por causa da fé em Jesus Cristo, não diretamente por conta daquilo que fazemos ou deixamos de fazer. É claro que a fé verdadeira, aquela que salva, produz frutos. Isso quer dizer que a pessoa irá mudando seu comportamento para ficar mais de acordo com aquilo que Deus espera dela. Irá eliminado seus pecados. E, se essa mudança não aparece, é porque a fé não existe de fato.

      Então, o fato de uma pessoa estar em pecado significa que ela perdeu sua fé? Claro que não, senão as igrejas estariam vazias, POIS TODOS PECAM, inclusive aqueles que acusam você (ao acusar você dessa forma cometeram o pecado de falta de amor ao próximo).

      O que Deus quer ver em nós é um coração sincero. Ele sabe que vamos continuar a pecar e o que Ele espera é arrependimento e esforço para mudar. Em resumo, não acho que haja esse tipo de ligação: separou-se, caiu em adultério, está em pecado e perdeu a salvação. É uma visão simplista que não encontra respaldo na Bíblia, a meu ver.

      Mas acho que seu pecado está em outro lugar: você precisa se reconciliar com seu marido, não para necessariamente voltar a viver com ele como marido e mulher, mas sim porque Jesus pediu para os cristãos acertarem suas diferenças.

      Tenha uma conversa franca e definitiva com ele. Fale como se sente, entenda como ele se sente e veja se é possível haver perdão mútuo pelas mágoas que um causou ao outro. Essa reconciliação precisa acontecer antes de qualquer outro passo. Enquanto essa mágoa não tiver sido tratada, Deus não vai apoiar qualquer solução para o problema.

      Feito isso, obtida essa reconciliação, aí sim você poderá resolver o que vai fazer da sua vida: se vai ou não continuar no seu casamento. Consulte a Deus antes de tomar essa decisão. Ore muito. E somente depois decida.

      Se resolver ficar, há várias coisas que podem ser feitas para ajudar o reestabelecimento de uma relação, como terapia de casal. Eu mesmo tenho trabalhado com casais nesse sentido e tenho visto Deus operar maravilhas.

      Se sua decisão for pela separação, peça perdão para Deus e siga com sua vida, sem se preocupar com a questão da perda da sua salvação.

      Espero ter ajudado.
      Vinicius

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  30. Ajudou muito Vinícius.
    Mas, se cometi esse erro, é porque houve uma série de agravantes por trás de tudo isso. Não estou querendo me justificar, mas só quem passou por isso sabe bem como é estar nessa situação. Eu mesma NUNCA imaginei agir dessa forma, sempre repugnei esse comportamento, e de repente me vi cometendo essa traição. Mas Deus sabe o quanto me arrependo, e sabe também os determinantes que me levaram a isso.

    Pois bem, é isso mesmo que vou fazer: conversar francamente com ele. Vou viajar nesse período de carnaval e ele também, estou indo ao encontro de uma amiga muito especial e usada por Deus, para conversarmos e orarmos juntas, pois estou precisando. Ela foi uma das únicas pessoas que me estendeu a mão.

    Durante esse período, estarei orando com essa minha amiga, e creio que voltarei de viajem com a resposta de Deus pra minha vida.

    Irmão, só Deus sabe o que sofri, só Ele sabe minha dor, o que passa no meu pensamento, minhas vontades, e minhas perspectivas para o futuro. Ele sabe que o meio anseio é somente serví-lo, pois apesar de ter apenas 20 anos, já passei por muitas angústias, problemas de saúde que enfrento entre outros, que se agravaram depois desse casamento que eu mesma sempre soube que não era para ter ocorrido. Confesso que minha vontade realmente é o divórcio, que até sinto paz no meu coração quando penso nisso e quando planejo minha vida com minha família novamente e sozinha, eu e Deus. Mas sei que preciso primeiramente da orientação do Senhor. Mas infelizmente, o preconceito e a falta de apoio da igreja "evangélica" atualmente é algo que é quase inexistente. Na teoria pregam o amor, pregam o perdão, mas na prática é diferente; somos unicamente tidas e rotuladas como "adúlteras", "divorciada", "faca, pois não esperou em Deus", "tola pois destruiu sua casa com as próprias mãos", entre outros julgos.

    Confesso que é duro demais ouvir tudo isso, mas apesar de tudo, não vou deixar-me influenciar pelos achismos dos outros, que não conhecem as lágrimas que meu travesseiro já viu. Ainda dizem que preciso permanecer nesse casamento. Me questiono, isso é AMOR? Deus quer mesmo que eu viva uma vida infernal dessa? Onde um homem só grita comigo, me passa vergonha, poromete mudança e eu sempre calada? Creio que não.

    Mas enfim, na volta, vou procurá-lo para conversarmos. Pedirei perdão pelo meu erro, me reconciliar com ele mesmo que não volte mais.
    Feito isso, direi a ele minha decisão. Apesar de querer muito o divórcio, mas sei que devo primeiro pedir orientação a Deus.

    Creio que Deus responderá neste tempo que estiver fora em oração, aconselhamentos e clamor a Deus.

    Depois volto aqui para dizer como findou essa história.
    Peço orações.

    Parabéns pelo trabalho, Deus o recompense.
    Paz!

    ResponderExcluir
  31. Concordo parcialmente com seus argumentos.
    Voce construiu uma sequencia logica e biblica, mas excluiu a conclusão de Paulo. Quando Paulo permite essa separação como que exceção a regra, ele diz para não se casarem mais, ou reconciliarem-se. Do jeito que você, colocou fica parecendo que Paulo permitiu o casar-se de novo.

    "Aos casados dou este mandamento, não eu, mas o Senhor: Que a esposa não se separe do seu marido. Mas, se o fizer, que permaneça sem se casar ou, então, reconcilie-se com o seu marido. E o marido não se divorcie da sua mulher."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, se você reler minha colocação, verá que o que mais quero agora é ficar SOZINHA, vivendo com meus pais, e servindo unicamente a Deus. Não quero nem penso em outro relacionamento.

      Excluir
    2. Você levantou um ponto interessante, que merece discussão. Em primeiro lugar, essa linha de texto (... se porém ela vier a se separar...) deve estar entre parentesis na sua Bíblia, assim como aparece na minha. Isto quer dizer que não há certeza completa que tal linha pertence de fato ao texto original. Em outras palavras, alguns manuscritos antigos contém a linha e outros não. Quem traduziu esta versão da Bíblia decidiu manter a frase, mas fez questão de avisar que se trata de um ponto controvertido.

      Sendo assim, o que os estudiosos procuram fazer em situações como essa é não construir doutrina em cima de uma frase controvertida. Ou seja, o que está escrito pode ser aceito, desde que esteja de acordo com os outros ensinamentos da Bíblia.

      Em segundo lugar, é evidente que em outras passagens da Bíblia fica claro que é permitido casar de novo, por exemplo, em caso de infidelidade conjugal. A parte isenta da culpa estaria livre para fazer outra união. Mas o texto que você citou não faz essa ressalva, apenas que não é permitido casar de novo.

      Portanto, ou haveria uma contradição na Bíblia, o que não é possível, ou o ensinamento de Paulo nessa passagem não pode ser tomado como absoluto. O que Paulo estaria ensinando que é se alguém se separar, sem ter causa justa aos olhos dos ensinamentos bíblicos, deve então ficar solteiro. Essa é a interpretação mais aceita pois combina com os outros ensinamentos que existem na Bíblia.

      Um abraço
      Vinicius

      Um abraço
      Vinicius

      Excluir
  32. Recentemente me divorciei do ex-marido, tínhamos uma relação de 14 anos, temos uma filha de 5 anos. A iniciativa do divorcio foi minha. Aparentemente tínhamos uma relação saudável, era o que todos pensavam, mas na realidade o que acontecia era a tentativa de viver em paz comigo mesma dentro de um lar que eu sempre lutei para dar certo, aceitei e perdoei tantas situações, sempre pensando na família, na verdade criei expectativas em uma pessoa que no decorrer do tempo só vinha me decepcionando, com mentiras. Percebendo que ao aceitar as falhas dele eu me anulava e para continuar a relação eu me violava, decidi dar um basta. Sempre fui verdadeira e dizia que não o amava mais e que não dava mais certo, mas ele sempre me ignorou, dizia varias vezes que ia mudar, mas a mudança nuca apareceu. Dei um tempo para ele se organizar e encontrar um lugar para ele morar, ficou decidido que sairia de casa. Acabei me envolvendo com uma pessoa ele ainda estando em casa, não quis sustentar uma mentira, então falei que tinha me envolvido com uma pessoa e estava confessando meu pecado. Até então nunca havia acontecido traição da minha parte, e depois de dois dias que eu cometi esse erro, preferi falar a verdade e assumir as consequências, não me separei por estar envolvida com outra pessoa e sim porque esta cena de separação já havia se repetido 2 vezes e a tentativa de consertar a relação nunca deu certo, sempre voltavam os erros. Foi quando o ex viu que eu tinha tomado uma decisão, ele acreditava muito em mim por conhecer meu caráter, e tentou apelar usando as pessoas que mais amo, minha filha e minha mãe, foi para dentro da casa da minha mãe, pedir ajuda, e contar a versão dele, que eu estava cega por outra pessoa, estava destruindo meu casamento. minha mãe se voltou contra mim, pois ninguém esperava uma atitude dessas, não vida de mim, pra minha família eu era um exemplo de perfeição, e pra todos os efeitos a pessoa que estava comigo estava me desviando do correto, até por que essa pessoa que hoje é meu marido tinha acabado de sair de uma relação, então atribuíram tudo a nossa relação, e não as suas próprias atitudes dentro do casamento. Eu nunca fui amante dele, ele foi meu por 2 dias infelizmente. A 2 meses eu sai de casa e estamos morando juntos, ele quer casar, pois quer a bênção de Deus em nosso relacionamento, eu quero casar, mas esta tudo muito recente, não tenho medo de não dar certo, só queria também a bênção da minha mãe que ainda se recusa conhece-lo. Quero sair do pecado da fornicação.Depois de toda confusão o ex veio confessar que tinha me traído a 3 anos atrás, e sentiu no coração que devia confessar, pois quando eu falei que o meu pecado eu confessei e só quem podia me julgar era Deus, ele disse que pesou a consciência. Me veio um alivio tão grande. A guarda da nossa filha é compartilhada. Estou com uma pessoa que me da muito amor e atenção, mas como todo começo é um mar de rosas, prefiro esperar um pouco mais para casar novamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em outro post deste blog - onde falo da questão do sexo fora do casamento - eu expliquei a limho que defendo quanto à questão da fornicação. Peço que você leia porque não posso desenvolver todo argumento aqui de novo.

      Mas o fato é que, pelo fato de você estar separada e estar se relacionando com outra pessoa, isso por si só não indica que você esta cometendo esse pecado. Você até pode querer se casar para pedir que Deus abençoe sua nova relação, mas não para evitar um pecado que, a meu ver e segundo sua descrição, não você não está cometendo.

      O seu erro foi não formalizar o fim da relação anterior e continuar a viver junto - isso sempre gera problemas. Você estava separada na sua mente - por isso se sentiu livre para buscar outro relacionamento - mas, perante a sociedade, a separação não havia acontecido. Foi um erro (repare que não falei em pecado e sim em erro) que você cometeu e paga o preço disse, inclusive na relação com a sua mãe. Infelizmente a vida é assim - pagamos o preço das escolhas que fazemos.

      Mas, acredito, que, à medida que você estabilizar sua nova relação e sua mãe vir que você está feliz, acabará por aceitar a nova situação. Se não aceitar, você vai ter que aprender a viver com esse fato.

      Espero ter ajudado.
      Vinicius

      Excluir
  33. Olá. Preciso de um esclarecimento. Conheci uma pessoa em 2008 e na época eu estava desviada dos caminhos do Senhor, ele também estava desviado porém era casado. Nos envolvemos, amei muito essa pessoa, mas ele sempre demonstrou amar sua esposa embora não convivessem bem. Pelo que ele falava, o casamento só existia por causa dele, ela não o tratava bem e eles brigavam muito. Mas acredito que devia ter momentos bons, afinal eram quase 20 anos de casamento. Após 1 ano e meio de relacionamento, ele foi morar em outra cidade com a família, porém nunca deixou de me procurer completamente. Sempre ligava e conversavamos por horas. Eu, embora o amando e ele sabendo disso, não aguentava mais aquele cativeiro, então dava conselhos para que eles ficassem bem, que se perdoassem. Ele tinha muitas mágoas por conta do descaso dela por ele e ela tinha mágoas das traições que ele cometera. Ele diz que só passou a trair depois de dez anos de casados, que até a ocasião tinha sido fiel. Mas que já não aguentava mais a solidão. Eles pareciam não ter muita afinidade. Embora eu nunca tenha dado conselhos para se separarem, as vezes pensava sozinha se essa não seria a melhor solução, afinal já eram 20 anos de brigas e desavenças. Mas nunca tive coragem de falar isso pelo fato de saber que isso é coisa séria. Ele também, por conhecer a palavra, dizia que não tinha coragem. Mas eu percebia que ele a amava. Ele dizia que sempre a amou muito e ela nunca foi de demontsrar amor por ele. Nesses anos pra cá, eles chegaram a se separar 3 vezes. Mas ele sempre volta atrás, por receio de perder a família e percebo que ela o manipula psicologicamente. Este ano, ele veio morar novamente na minha cidade a trabalho, passou 4 meses, praticamente ficamos morando juntos. A nossa convivencia foi muito tranquila. Porém, eu não sentia paz por estar em pecado. Ele acabou voltando pra casa, pois nesse tempo a esposa ficou com medo de perde-lo. Mas quando ele voltou, novamente as brigas continuaram, ele implora a companhia dela e ela se nega. Ele teve que viajar a outro estado e ela finca o pé e não quer se submeter a ele em nada. Ele viajou e me ligou, conversamos novamente. Ele me liga a noite por que dorme na sala. Agora ele tem falado que acha que isso realmente nunca vai mudar e tem receio pela velhice dele ao seu lado. Mas tem medo de se separar e estar em pecado caso viva com outra pessoa. Ele diz que já tentou de tudo. Eu tenho receio de dar algum conselho a ele. Mas uma coisa que eu não quero é viver em pecado.Tem falado em tentar viver a vida comigo. Caso ele viesse a se separar, com certeza não seria por minha causa. Mas se ele ficasse comigo, estariamos em pecado? Teria perdão para nós?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu casamento estar por um fim o que posso fazer pra nao mim divorcia sou evangelica mais tbm tenho problemas particulares e quere compartilhar com com vc eu e ele discultimos muito ele desconfia de mi nao sei mais oq fazer sofro miito com isso pq eu o amo muito

      Excluir
    2. Minha cara
      O texto que escrevi discute a questão de quando é pecado divorciar à luz do que a Bíblia ensina.

      Agora, infelizmente os problemas de relacionamento são sempre muito doloridos e difíceis de resolver. Entendo seu sofrimento e lamento não ter um remédio pronto que possa fazer sua dor passar. O que posso dizer é que você deve conversar com seu marido e também procurar ajuda de outras pessoas - às vezes uma terapia de casal ajuda bastante.

      Ore muito e peça ao Espírito Santo que oriente você e lhe dê sabedoria para saber como agir.

      Abs
      Vinicius

      Excluir