domingo, 5 de junho de 2016

SALOMÃO FOI MESMO SÁBIO?

Salomão era mais sábio do que qualquer ser humano, mais do que o ezraíta Etã, mais sábio que Hemã, Calcol e Darda, filhos de Maol. Sua fama espalhou-se por todas as nações em redor. Ele criou três mil provérbios e compôs mil e cinco cânticos.     1 Reis capítulo 4, versículos 31 e 31 

A Bíblia conta que Salomão era um homem de sabedoria fora do normal - chega a dizer que ele era a pessoa mais sábia do mundo. E tal sabedoria veio de Deus: Salomão teve um sonho onde Deus lhe disse para pedir o que quisesse. E Salomão pediu sabedoria, pois era jovem e sabia precisar disso para poder fazer um bom governo.

E tal sabedoria lhe foi concedida. E gerou também fama, sucesso e poder: Salomão tornou-se homem muito rico e um rei muito forte. Construiu palácios maravilhosos e o Templo de Jerusalém. 

Agora, quando analisamos o resto da vida de Salomão, percebemos que ele não foi capaz de construir uma família feliz, assim como tinha acontecido com seu pai, Davi. Teve centenas de mulheres e concubinas, que trouxeram conflitos familiares e o influenciaram a adotar maus hábitos (por exemplo, adorou outros deuses). Acabou punido por Deus: seu filho perdeu boa parte do reino para um usurpador.

Essas não parecem ser atitudes próprias de um homem sábio. O que está acontecendo aqui? Salomão foi ou não foi um homem de grande sabedoria?

Na verdade, estamos falando de duas coisas diferentes. A primeira delas é sabedoria para governar, para liderar pessoas, para conquistar e conservar o poder. Salomão teve essa sabedoria em alto grau e a Bíblia afirma isso com clareza.

E outra coisa, bem diferente da primeira, é a sabedoria necessária para desenvolver uma vida pessoal - emocional e espiritual - feliz e equilibrada. Aí Salomão falhou miseravelmente. E naturalmente, nesse segundo campo, Salomão não consultou a Deus e isso é fácil de perceber - será que alguém imagina Deus aconselhando o rei a ter centenas de mulheres? 

As qualidades e habilidades necessárias para ter sucesso na vida profissional e na vida pessoal são bem diferentes. E essa diferença é fácil de perceber no dia a dia: são inúmeros os casos de pessoas altamente bem sucedidas na vida profissional - alcançam fama, sucesso, poder e riqueza - e não conseguem manter seus casamentos, são péssimos pais e assim por diante.

A resposta à pergunta anterior, portanto, é: Salomão foi e não foi sábio. Teve sabedoria no campo onde contou com Deus: para governar. Mas na sua vida particular, onde tentou agir pela sua cabeça, fracassou.

Acho que você concorda comigo que uma vida feliz é aquela que consegue um equilíbrio saudável entre o sucesso profissional e as realizações pessoais. Aquela onde a pessoa consegue equilibrar os resultados nas duas áreas. 

É claro que isso significa fazer compromissos. Por exemplo, às vezes será preciso sacrificar a vida pessoal para conseguir avançar na profissão. Mas também será preciso fazer o contrário: promover sacrifícios profissionais para, por exemplo, atender as necessidades da vida familiar. Assim como ter tempo para desenvolver uma vida espiritual saudável: ir à igreja, estudar a Bíblia, orar, ajudar na obra de Deus, etc.

Com carinho

2 comentários:

  1. Parabéns pelo texto. Deus continue lhe abençoando.

    ResponderExcluir
  2. Tremendo, que Deus te abençoe amigo!

    ResponderExcluir